3 de mai de 2012

Poema de Mário Quintana

E se me dessem - um dia - a oportunidade,
eu nem olhava o relógio.

Seguia sempre, sempre em frente...

E iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas.

Um comentário: