17 de set de 2013

A Depressão e Seus Mitos


Nos últimos anos observamos um aumento dos casos de depressão, e devido a informações equivocadas e preconceitos as pessoas demoram para procurar ajuda e quando chegam ao consultório já estão num grau de sofrimento muito grande, o que dificulta o tratamento. 


Que tal um pouco de luz no horizonte?



A seguir uma lista de frases que ouço diariamente no consultório e que só atrapalham quem está passando por esse problema. Vamos nos livrar destes mitos?  

1 - "Você não tem cara de quem tem depressão, a pessoa deprimida não sai da cama, não come e pensa em morrer."

Somente casos muito graves apresentam esse quadro.

Na maioria das vezes, os casos de depressão são leves a moderados, e os principais sintomas são: 
- cansaço excessivo (desproporcional às atividades realizadas),  
- disturbios do sono  - principalmente a insônia ou a sensação de que o sono não foi reparador,
- tristeza sem motivo, ansiedade ou irritabilidade (sem relação com a TPM), 
- perturbações digestivas e/ou dores de estômago,
- cefaléia e/ou dores pelo corpo (com frequência erroneamente diagnosticadas como fibromialgia).

Se tiver pelo menos três dos sintomas acima por mais de duas semanas, procure seu médico para um check-up.

2 - "Depressão é coisa de gente fraca."

Isso não é verdade.
Enfrentar a depressão e superá-la é uma das coisa mais difíceis, exige muita força e coragem!

3 - "Depressão é falta do que fazer."

Essa é de doer, hein...
A depressão é uma doença, não é frescura! 
Existe alteração na bioquímica cerebral e inclusive morte de neurônios (hoje já se sabe que  eles são recuperados com o tratamento).

4 - "Se está deprimida, você tem que sair, ir ao cinema, fazer umas comprinhas, que a depressão passa."

A pessoa com depressão não consegue achar graça nas coisas e nem tem energia para isso. A sensação é a de que perdemos a capacidade de ver as cores, o mundo parece ficar todo tingido de cinza.
Estar deprimida não é uma questão de vontade.  Ninguém escolhe ter depressão, assim como ninguém escolhe ter doença nenhuma.
É algo muito maior...é necessário tratamento adequado com medicamentos e terapia.

5 - "Não quero tomar remédios porque vou ficar dependente de tarja preta. Vou ficar dopada. "

Em primeiro lugar: os antidepressivos não são de tarja preta, são de tarja vermelha!  Inclusive os medicamentos de tarja preta não são indicados na maioria dos casos.
Nenhum dos anti-depressivos muda a personalidade, nem deixa ninguém dopado. Pelo contrário,  o objetivo é trazer centramento, foco e serenidade.
Em segundo lugar: nenhum destes medicamentos causa dependência. O tratamento é longo, mas tem começo, meio e fim.


6 - "Vou usar remédios à base de ervas, pois sendo naturais não tem efeitos colaterais."

Sou muito a favor de tratamentos alternativos, inclusive  utilizo a homeopatia, medicamentos antroposóficos e florais quando possível, mas toda substância, natural ou sintetizada tem efeitos colaterais! 

Há duas ervas muito populares utilizadas para o tratamento da depressão que estão sendo estudadas, mas uma delas parece aumentar o risco de suicídios, portanto, cuidado! 

O objetivo do tratamento é obter o máximo de benefícios com o mínimo de efeitos colaterais.

Procure um médico, siga o tratamento e acredite: você vai melhorar. A vida voltará a ter cores novamente. 


Depois do inverno, a primavera triunfa!








19 comentários:

  1. Eu bem que sei o que é isso vi minha cunhada ouvir muitas dessas, inclusive uma que tive pena na hora _ Procure suas amigas, caramba ela não estava nem saindo da cama, além da depressão, síndrome do pânico, é difícil mesmo.... muito bom vc colocar tudo isso no post, esclarecedor.
    Beijo grande e uma bela semana minha amiga!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Silvia, você sempre tão querida...
      O objetivo era esclarecer mesmo, já não agüentava mais ouvir essas coisas, estava até ficando irritada...
      Bjs

      Excluir
  2. Eu tive depressão e não é nada fácil,
    até que me descobri , fiz uma viagem no meu interior com fé em Jesus,
    e acabei descobrindo que eu queria agradar a todo mundo e me anulava, e acabava não agradando niguém.

    graças a Deus passou ,

    bjs

    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Simone,

      Não viver uma vida autêntica, guiada por seus verdadeiros desejos, é uma das causas de depressão.
      É impossível agradar a todos, nem Jesus conseguiu, não é?
      Fico feliz que tenha descoberto sua essência e se recuperado!
      Abraço

      Excluir
  3. Cris,
    Muito legal esse post, quando perdi meu pai, minha mãe teve depressão e realmente é uma situação muito triste e delicada. A informação ajuda muito porque realmente quando se percebe muitas vezes a pessoa já está bem doente.
    Um beijo querida,

    ResponderExcluir
  4. É imenso o número de ignorantes que em vez de apio,criticam aqueles que mais precosam de amparo e tolerância.
    Depressivos precisam de acompanhamento médico e apoio familiar.
    Geralmente terminam desse modo porque fazem de tudo para agradar a todos e isso é impossível.
    São pessoas carentes e muito sós.
    Beijão,coisa mais querida!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Nunca tinha visto a depressão descrita dessa forma - sempre fazem parecer coisa de gente desocupada, mal amada, mal resolvida. Se todos abrissem os olhos prá parte química da doença, talvez fossem mais solidários, menos juízes, mais irmãos de quem enfrenta essa luta tão feroz. Obrigada Doutora, foi um esclarecimento muito lindo. Beijo.

    ResponderExcluir
  6. Cris, muito esclarecedor! tenho uma amiga passando por esses problemas (essa doença) e eu mesma, na minha ignorância, cheguei a repetir algumas dessas frases. Mas vindo de quem entende, mudei minha percepção. Obrigada.

    ResponderExcluir
  7. Olá Cris!

    Gratidão pelo carinho viu flor, amo suas visitas ao meu cantinho.

    Matéria maravilhosa esta que abordou, super esclarecedora. Perfeita!
    Espero que muitas pessoas tenham acesso a estas informações, pq de fato, cada vez mais vejo isso acontecendo, mas a minoria dá a devida atenção.
    Beijinhos querida, e uma 4a feira de garoa muito abençoada pra ti.
    E que venha a primaveraaaa :D

    Flores e Luz.

    ResponderExcluir
  8. Oi Cris,
    Gostei tanto desse post que quero pedir permissão
    para colocá-lo lá no meu cantinho com os devidos créditos e link,
    pois acho que essas informações devem ser difundidas o máximo possível
    só assim conseguiremos minimizar as dores que esse mal provoca!
    bjs

    Ps: o comentário foi publicado lá no filme, rss.

    ResponderExcluir
  9. Cris minha linda...

    todas essa frases e muitas outras eu ouvi e senti na pele o efeito de cada uma delas. Em 1990 eu passei por uma depressão seguida de síndrome do pânico. Fui ao fundo do poço, e por lá permaneci durante um bom tempo. Ouvi coisas absurdas, comentários maldosos, irônicos e até ingênuos. Meu caso foi tão grave, que não conseguia mais engolir, pois acreditava que a comida iria me matar. Já não conseguia mais sair a rua, pois as pessoas me apontavam, e diziam que eu tinha aids. Cheguei a pesar 38kgs. Fui a vários médicos, fiz inúmeros exames, já acreditava que estava com uma doença incurável, enfim, só aumentava meu desespero. Até o dia em que encontrei um médico que me encaminhou para um psiquiatra. Acredito que nada mais vá me marcar tanto quanto aquele período. Eu estava só. Não encontrei apoio nem em minha família, pois eles também não entendiam como alguém que, até então tinha tudo, boa vida, bom casamento, filhas saudáveis, viajada, enfim, não tinha o direito, não poderia estar deprimida. Mas também não faltaram os entendidos, aqueles que vêm com manual de auto ajuda em baixo do braço e praticamente obrigam você acreditar que a saída está ali, quando a coisa é muito mais complexa e difícil. Foram dois anos e meio de terapia com psiquiatra, medicamento de tarja vermelha - e nunca cometi nenhuma bobagem por isso - até entender que eu não estava louca, que depressão e síndrome do pânico podem acometer qualquer um. Durante esse processo eu perdi a guarda de minhas filhas, meu marido mudou-se para outro estado com elas e eu fiquei só, sem minhas filhas, sem apoio da família que aí, passou a me culpar ainda mais. Mas eu dei a volta por cima. Busquei forças em mim, em minha fé e na vontade de viver. Acho que, a mesma atenção que dispensamos ao nosso corpo, seja para mantê-lo bonito e saudável, da mesma forma deveríamos nos preocupar também com nossa alma. Ela também precisa de cuidado, de conforto, de carinho e atenção. Se eu tivesse prestado atenção aos sinais, ou, se as pessoas que estavam ao meu lado tivessem percebido que até os aparentemente normais, de vida aparentemente tranquila, confortável e sem problemas também podem pirar e chutar o balde, todo esse sofrimento teria sido evitado. Espero que meu relato possa ajudar de alguma forma as pessoas entenderem que depressão não é frescura, não é coisa de madame, que ninguém acorda e resolve ficar deprimido porque quebrou a unha e etc.... Depressão é coisa séria, é uma doença e precisa de tratamento para ser curada.

    Beijo como muito carinho...
    Denise - dojeitode.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Denise querida, puxa, quanto sofrimento você enfrentou...
      Mas você pelo jeito é uma guerreira, e como disse NIetzsche: O que não me mata me fortalece.
      Tenho certeza de que saiu mais forte do que entrou nessa depressão.
      E você venceu!
      Obrigada por compartilhar sua experiência, ela pode ajudar muitas pessoas que possam estar enfrentando esse problema.
      Um abraço carinhoso

      Excluir
  10. Muito esclarecedora sua exposição, Cristiane. Tenho amigos e familiares que sofrem dessa doença e essa leitura me ajudou bastante.
    Obrigada por partilhar,
    Lylia

    ResponderExcluir
  11. Super interessante esta tua postagem; acho este esclarecimento providencial para as pessoas acometidas da depressão como também para as pessoas que estão por perto.Eliminar as crenças, se colocar no lugar do outro...amei minha querida!beijos grande e até mais!

    ResponderExcluir
  12. Hello Cristiane, a very informative and encouraging post. Thank you so much for sharing.

    ResponderExcluir
  13. Olá Cristiane,

    Me emocionei com o depoimento da Denise, espero que ajude a outras pessoas a superarem a barreira e procurarem ajuda psicológica. Verdade é que muita gente ainda pensa que psiquiatra é médico de "louco". Gostei do post, bem explicativo, direto e claro.
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Querida Cristiane,
    Acabei de ser "repreendida" pela médica e pela psicóloga, a Cristina Magnaghi, que você conhece...
    Depois de uma crise de enxaqueca, parei com os antidepressivos. Foi o desespero... Cessada a dor, vieram os efeitos colaterais da ausência dos últimos. Fui orientada a retomar a terapia medicamentosa.
    Fiquei muito triste quando a psiquiatra afirmou que eu ficaria pior sem os remédios. Pesou a ideia de passar a vida sob pílulas, sem chance de cura.
    Eis que leio sua coluna sobre a depressão. Por ela, um mundo em cores e repleto de esperanças... Qualidades que o receituário para o tarja vermelha não traz.
    Escrita de forma clara e simples, rompe preconceitos. Inclusive os do doente... (tantas mentiras se criam, que parecem verdades).
    Muito obrigada.
    Muito obrigada também pela nossa conversa carinhosa ao telefone. Ótimas dicas de como conviver com a cefaléia. Além das novidades do último encontro maravilhoso das mulheres em círculo, que perdi.
    Fique com Deus.
    Beijos,
    Dani.

    ResponderExcluir
  15. Oi Dani querida, que alegria te ver por aqui!
    puxa, que bom saber que este post te ajudou....
    Fico feliz que a enxaqueca tenha melhorado, mas realmente interromper bruscamente o tratamento da depressão é perigoso, não por causa dos remédios em si, mas por causa da própria doença que causa muito sofrimento.
    Fique tranquila, o tratamento da depressão não é para a vida toda, salvo em raras exceções.
    Sentimos muito a sua falta, mas no mês que vem tem mais!
    Bjs e até breve

    ResponderExcluir
  16. Querida, Cris!
    Hoje fiz algumas pesquisas em seu maravilhosos blog, na esperança de encontrar algo sobre depressão. Minha filha está há um mês sofrendo bastante, começou com pânico, transtornos de ansiedade e uma depressão avassaladora, que graças a Deus e ao tratamento que vem recebendo (anti-depressivo+remédio para ansiedade), está tendo uma melhora gradual, mas eu penso que os familiares e agregados precisam estar preparados para ajudar o paciente e essa sua postagem (como todas) é muito tocante e verdadeira. Mais uma vez, muito grata por tudo que aprendo com você. Bjo afetuoso!

    ResponderExcluir