7 de out de 2013

Cicatrizes e Condecorações


"Sempre me emociono  com o jeito pelo qual os lobos batem nos corpos uns dos outros quando correm e brincam, os mais velhos a seu modo, os jovens ao modo deles, os magros, os gordos, os de pernas longas, os de rabo cortado, os de orelhas caídas, os de membros quebrados que ficaram tortos ao sarar. Todos têm sua própria configuração corporal, sua própria força e beleza. Vivem e brincam de acordo com o que são, quem são, e como são. Eles não tentam ser o que não são."
Clarissa Pinkola Estés
In: Mulheres que Correm com os Lobos


As marcas deixadas pelo tempo mostram que estamos na dinâmica da vida. 
As marcas e cicatrizes deixadas por doenças e outros sofrimentos são provas de nossa vitória, porque os superamos e sobrevivemos! Elas são nossas condecorações.
Nosso corpo é um registro vivo da vida transmitida, da vida levada, de esperança e de cura.
Ele é a única moradia do nosso Ser, não o trate como um escravo que precisa satisfazer nossos caprichos, mas sim como um ente que tem seus próprios méritos: com muito amor.



13 comentários:

  1. Cris, tudo bem?
    Que engraçado lendo seu post, me veio um pensamento de que infelizmente nem todas as pessoas pensam que as marcas e cicatrizes são provas de nossa vitória. Muitas lamentam eternamente essas marcas. Quando elas deveriam nos trazer exatamente isso, vitória, superação. Belo post,

    Do resto tá tudo bem por ai? Um beijo e boa semana.

    ResponderExcluir
  2. Que post mais lindo, Doutora! Me fez lembrar uma frase dita pela atriz italiana Ana Magnani - "Não retoquem minhas rugas. Levei muito tempo para tê-las.". A grande maioria de nós se desespera com a passagem do tempo, tenta esconder quem realmente é prá ser igual a todo mundo e o teu post faz a gente pensar no quanto são especiais as nossas trajetórias - e como as marcas do caminho são também preciosas; como o nosso corpo tem que ser respeitado e apreciado como dádiva divina. Muito lindo.

    Beijos e uma linda semana!

    ResponderExcluir
  3. Cris, do céu:
    Que post MARAVILHOSO.
    Tô arrepiada, aqui do outro lado da telinha.
    Se me permitir, gostaria de compartilhar esse texto no meu blog.
    Então, peço sua gentileza em deixar um comentário, caso me autorize a reproduzir, ok.
    Boa semana.
    Bjs.:
    Sil
    http://meusdevaneiosescritos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Cris,
    Amei a citação. Eu preciso muito deste livro!
    Aproveite a semana!
    Bjs

    GOSTO DISTO!

    ResponderExcluir
  5. Que lindo Cris! realmente este livro é cheio de ensinamentos e reflexões...estamos no lugar certo e estamos vivendo aquilo que precisamos aprender...eu confio, eu entrego, eu aceito e eu agradeço! um beijo grande e até mais!!!

    ResponderExcluir
  6. O corpo fala todas as línguas: “é um ser multilíngüe, fala através da cor, da temperatura, do rubor e do reconhecimento do brilho do amor e das cinzas da dor, do calor da excitação, da frieza do medo, dos tremores, dos saltos no coração. Por isso é inaceitável limitar a beleza e o valor do corpo a padrões mesquinhos de significado: O corpo tem um poder verdadeiro quando é animado de dentro para fora. Quando é usado como uma benção. “O corpo é como um planeta. Ele é uma terra por si só” (ÉSTES, Clarissa).

    Beijo Cris querida e uma semana maravilhosa!
    Denise - dojeitode.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. E por mais sofrimento que possamos passar , não podemos
    esquecer as raízes de onde viemos, e no que tornamos depois de tudo que aconteceu.

    bjs
    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Cris minha querida amiga - sinto-te assim! Fico feliz que tenhas gostado de meu comentário, mas na verdade não era aquilo que eu queria ter escrito... É fato que, ao lermos um texto, seja ele qual for, a interpretação é livre e depende da vivências de cada um. Por isso, ao ler sua postagem de hoje, não pensei nas cicatrizes do corpo físico, mas sim nas cicatrizes da alma. Pois é lá que ficam registradas todas nossas vitórias e derrotas, e essas são as mais profundas, e não existe cirurga plástica que dê jeito. Bem, o que queria dizer é mais ou menos o seguinte: Mais uma vez sua postagem fala comigo. Incrível, mas sinto-me parte integrante de muitas coisas que você escreve. Sempre me vejo, mesmo que nas intrelinhas. Talvez porque já tenha passado por muita coisa nessa vida. Muitos até duvidariam de minha lucidez. Trago comigo inúmeras marcas e cicatrizes, e são minhas condecorações. Exatamente assim que as sinto. São elas que dão força e sustentação. Quando me olho no espelho, vejo aquela menina que viveu o horror da loucura de seu pai, a indiferença de sua mãe, o abandono, o matrimônio desfeito, a ruptura com as filhas, o câncer, enfim Cris, foram muitas coisas ruins. Mas eu estou aqui, firme e forte. Algumas vezes balanço, mas já vivi entre o limbo, e lá não quero mais voltar. Sou grata a vida, sou feliz na medida do possível e me amo muito mais hoje do que ontem. Pois é, a menina de minha postagem sou eu, e aquele monstro é meu pai. Esse é só mais um capítulo trágico de minha vida. Cris minha querida doutora, sou muito agradecida por ter encontrado seu blog. Nossa, você não sabe o quanto gosto de visitá-lo. Volta e meia venho, dou uma espiadinha aqui, outra ali, vou lendo suas postagens mais antigas, e assim vou esvaziando meu copo, vou aliviando minha carga. Te peço uma coisinha, não publique isso tá bem! Beijo grande querida.

    ResponderExcluir
  9. Palavras que tocam profundamente!! Na busca dessa perfeição ditada pelas tendências do mundo moderno, as pessoas fazem qualquer coisa para esconder suas rugas, suas marcas e esquecem que estar vivo é um presente e que devemos valorizar e celebrar cada marca que a vida nos brindou!!

    Eu amo esse livro Cris, nunca me canso de lê-lo.

    Beijinhos e que você tenha uma semana maravilhosa!!

    ResponderExcluir
  10. Cris,
    Se me permite uma curiosidade, queria te fazer uma pergunta: Porque do meio do ano em diante aumenta a procura nos consultórios? Beijinhos.

    ResponderExcluir
  11. Que lindo Cris!
    Nunca tinha pensado assim, que as marcas e cicatrizes são provas de nossas vitórias!
    Linda verdade!
    Tenho a mania de rebaixar-me pelos meus fracassos, mas vendo por esse ângulo, sinto-me uma vencedora!
    Muito obrigada.
    Bjo grande no teu coração.
    Léia

    ResponderExcluir
  12. Oi Cris:
    Voltei pra te avisar que já publiquei o post, ok.
    Tá aqui nesse link:
    http://meusdevaneiosescritos.blogspot.com.br/2013/10/nosso-corpo-e-unica-moradia-do-nosso-ser.html
    Bjs.:
    Sil

    ResponderExcluir