4 de fev de 2014

O que é Curar-se?




“Não se queira curar a parte sem tratar o todo. 
Não se queira curar o corpo sem tratar também a alma…
este é o erro dos nossos dias, 
os médicos separarem a alma do corpo.”

Platão
Filósofo Grego
427-347 a.C.

Em português, associamos a palavra Curar a recuperar a saúde, mas ela também significa secar ou defumar um alimento (curar um queijo, por exemplo). Mostrando que a  cura é um processo, e tem relação com o tempo e o amadurecimento.

A palavra inglesa heal (curar) deriva do termo anglo-saxão hal, que significava “todo”, mas também “saudável” e “sagrado”. Isto já nos dá uma idéia da relação entre saúde e totalidade.

Se corpo, mente e espírito estiverem dissociados, não é possível haver cura completa. Uma alma doente manifestará seu desassossego na forma de sintomas físicos.

Os pensamentos e sentimentos que alimentamos em relação ao mundo e a nós mesmos são a principal causa  do sofrimento.

As doenças geralmente são mensagens que recebemos, dizendo que estamos em desarmonia, que algo precisa ser mudado. Quando entendemos o recado, a doença vai embora. 

É como diz uma médica oncologista que admiro muito:  “ A doença é um grito que a vida dá para avisar que estamos indo pelo caminho errado. A intensidade do grito será proporcional  ao grau de surdez da pessoa." 

Enquanto ficarmos “brigando com a vida”, nada acontece. Somente quando ocorre aceitação pode haver transformação.

A Cura pode ser vista também como um processo iniciático, pois no final não somos mais as mesmas, fomos transformadas, e invariavelmente descobrimos em nós uma força que desconhecíamos.

Então, curar-se é voltar a ligar-se com a alma. Na essência da cura há amor e compaixão. 

Como disse Sakyamuni Buda: “Da doença surge a mente que busca O Caminho.”

Pense nisso…e cuide do que precisa ser Curado em sua vida com delicadeza e amor.





Não copie nenhum conteúdo deste blog sem a autorização expressa da autora.








21 comentários:

  1. A afirmação de Platão é tão antiga e tão atual, nessas observações notamos o quão pouco a humanidade evolui.
    Mente sã, corpo são
    Cura, espera e avanços
    Remansos, encantos
    Utopias, realidade
    Paz e bem
    Amém!

    ResponderExcluir
  2. Tudo tão certo! Acredito que seja a mais pura verdade, Doutora querida. Reconheço muitas das minhas dores nos meus excessos e falhas... Tava com saudades dos seus posts tão inspiradores.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Oi Cris!

    Feliz 2014 atrasado, mas de coração.
    Um bela postagem. Pena que é tão difícil encontrar esse equilíbrio. Nossa mente é tão teimosa e traiçoeira algumas vezes que demoramos para entender o que há realmente ou não conseguimos ouvir.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Tão sumamente importante saber escutar o nosso corpo! Tenho lido sobre o assunto e não duvido nem um pouco da verdade desta afirmação.

    Querida, em português de Portugal, a peça que teci chama-se mesmo camisola. Blusa é uma peça confecionada em tecido fino, seda ou algodão, por exemplo, que corresponde à camisa masculina.
    Em português do Brasil, camisola, eu sei, é uma peça usada para dormir, a que, aqui, chamamos camisa de dormir.

    Falamos a mesma língua, é certo, respeitando, porém, umas quantas especificidades.

    Beijinhos e tenha um bom final de dia. Por aqui, tempestade à solta, com o mar galgando as margens, chuva torrencial, vento forte e neve nas montanhas. O paraíso!

    ResponderExcluir
  5. Oi Cris,
    Concordo com o médico oncologista sobre o grito, é preciso parar
    e refazer o caminho, essa tarefa não é fácil, um novo aprendizado
    dia após dia sem esquecer do diagnóstico que faz, muitas vezes, essa
    caminhada mais pesada... rumo a vida, rumo a cura.
    Mais uma vez bela reflexão,
    bjs

    ResponderExcluir
  6. Oi Cris,
    Vc já leu "A Doença como metáfora", da Susan Sontang? Eu queria mandar para vc, mas procurando aqui nos meus arquivos, encontrei apenas duas citações. Se um dia vc encontrar este texto, não perca a oportunidade de ler.
    A doença é o lado sombrio da vida, uma espécie de cidadania mais onerosa. Todas as pessoas vivas têm dupla cidadania, uma no reino da saúde e outra no reino da doença. Embora todos prefiramos usar somente o bom passaporte, mais cedo ou mais tarde cada um de nós será obrigado, pelo menos por um curto período, a identificar-se como cidadão do outro país.
    (...)
    Por ora, é muito difícil fixar residência no país dos doentes e permanecer imune aos preconceitos decorrentes das sinistras metáforas com que é descrita a sua paisagem. (...).
    A DOENÇA COMO METÁFORA – SUSAN SONTAG

    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Querida amiga

    Uma preciosa postagem,
    principalmente
    em tempos
    onde uma das maiores doenças,
    nasce do esquecimento
    dos cuidados com a vida
    que nos habita...

    Ser feliz,
    é deixar-se engravidar
    pela simplicidade da alegria.

    ResponderExcluir
  8. Que postagem maravilhosa e rica, cheia de sabedoria...conectar-se com a alma para voltar ao Caminho! lindo....
    um beijo grande!

    ResponderExcluir
  9. Cris amada, feliz que voltou mas mais ainda pela renovação, descanso.
    Obrigada por ter deixado esse lindo ensinamento para nós, precisava ouvir isso para entender algumas coisas que se passaram e passam na minha vida, sempre muito bom vir aqui aprender contigo!!!
    Bem- vinda ao novo ano!!! Bem-vinda com novas ideias, e vive mesmo! Também o farei!
    Mil beijos carinhosos e ótima volta!
    Cris

    ResponderExcluir
  10. Oi Cris:
    Ontem publiquei no face um texto do Jung, que vem de encontro ao sue post:
    "Não há despertar de consciência sem dor.
    As pessoas farão de tudo, chegando aos limites do absurdo para evitar enfrentar a sua própria alma.
    Ninguém se torna iluminado por imaginar figuras de luz, mas sim por tornar consciente a escuridão."
    Carl Gustav Jung in A Prática da Psicoterapia.
    Bjs.:
    Sil

    ResponderExcluir
  11. Não é de admirar que detestemos tanto nossos sintomas, visto que são eles que nos obrigam a expressar justamente aqueles princípios que mais tencionamos não expor. Assim continuamos a combater os sintomas, sem aproveitar a oportunidade que representam de servir a nossa Cura.”
    “A Doença como Caminho”, de Thorwald Dethlefsen e Rüdiger Dahlke
    Beijo Cris,
    Denise - dojeitode.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Oi Cristiane,
    No meu entender, evoluímos tão pouco como "seres humanos". Andamos tão devagar por esse caminho do conhecimento de nosso eu. Textos como os seus são preciosos!
    Esclarecedores e de fácil compreensão.
    Felicidades para você!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Oi Cris!

    Ah como vc é querida viu?!
    Amo tanto seu carinho, suas visitas sempre tão doces lá no blog, gratidão sempre minha flor!
    Olha, e dá gosto passar por aqui, vc sempre capricha nos assuntos que aborda e a gente só tem a agradecer.
    Amei o texto (como sempre rs), e também acredito neste tipo de cura, melhorei muito em épocas difíceis seguindo estas dicas sabe.
    Tem um livro tbm que me foi muito importante, não se vc já leu, senão já fica a dica aí rs, ele se chama: "Peça e será atendido" de Esther & Jerry Hicks. Claro, tem aquela dose espiritual nele, o que eu amo, mas olha, me ajudou muuuuito!
    Grande beijo pra vc querida, e mais uma vez, gratidão.
    Feliz restinho de semana! :D

    Flores e Luz.

    ResponderExcluir
  14. Concordo plenamente com o texto. Tratamos o mal mas não tratamos o que originou este mal. Estava com saudades! Beijo, Lylian tipoassimdonademim.blogspot.com.br e maniadobem.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. OLá, Cris
    Tudo perfeito em seu texto, cura-se a alma e depois vem o corpo.
    Fica na paz, bjosss

    ResponderExcluir
  16. Cris, acho que o que mais preciso curar são meus pensamentos...
    Muitas vezes eles me colocam na defensiva e me fazem sofrer antes do tempo...
    Por coisas que na maioria das vezes nem acontecem...
    Mas minha amiga, às vezes é tão difícil mudar...
    Estou tentando aos poucos...
    Orando e meio que fazendo uma auto-análise, vendo os porquês...
    Mas acredito que a cada dia precisamos buscar ser uma pessoa melhor...
    A cura para a alma é um caminho diário...
    Aliás para a saúde da alma a caminhada tem que ser diária...

    ResponderExcluir
  17. Olá Cristiane,

    Amei o assunto de hoje, e a definição da médica sobre o tamanho do grito relativo a surdez da pessoa, é tão verdadeiro. As vezes parecemos surdos a certos sintomas da alma, ficamos procurando explicações ou lógica em tudo. Esquecemos de olhar bem lá no fundo, quando os males ainda estão pequenos e mais facéis de curar.
    Beijos e ótimo final de semana.

    Quanto ao colar do blog: o pingente é de pedra esculpida, mas já comprei pronto.

    ResponderExcluir
  18. Bacana isso de a própria doença funcionar como um caminho... para a cura.
    Bom tê-la de volta!

    ResponderExcluir
  19. Olá, querida
    Sempre gostei do queijo curado.... rs...
    A cura é urgente em todos os níveis do nosso ser...
    Leva tempo a mais para uns de nós e menos para outros... Muito bom o seu post!!!
    Bjm fraterno

    ResponderExcluir
  20. Oi Cris:
    Vim até aqui pra agradecer sua participação na Sinopse Semanal.
    Na anterior, eu mencionei exatamente esse post.
    Sendo assim, caso você queira que eu retire o texto, peço sua gentileza em me avisar, ok.
    Esta nesse link:
    http://www.meusdevaneiosescritos.blogspot.com.br/2014/02/sinopse-semanal-n-11.html
    BOA SEMANA!!!!
    Bjs.:
    Sil

    ResponderExcluir