2 de mai de 2014

As Cidades Invisíveis

As Cidades Invisíveis
Ítalo Calvino
Cia. das Letras

O post anterior é um conto deste livro que despertou a curiosidade de algumas amigas, então resolvi indicá-lo a vocês porque é um dos melhores livros que já li! Está na minha estante especial, o meu panteão, onde ficam somente os  livros inesquecíveis.

Ítalo Calvino foi um dos escritores mais importantes e instigantes da segunda metade do século XX e nesta obra conta a história do famoso viajante Marco Polo, que descreve para Kublai Khan as incontáveis cidades do imenso império do conquistador mongol. 

Neste livro, a cidade deixa de ser um conceito geográfico para se tornar um símbolo complexo e inesgotável da existência humana.

São pequenos contos, escritos de forma concisa e poética, dando margem a muitas interpretações.

Cada cidade seria uma mulher? Uma experiência de vida? Um olhar sobre a condição  humana?

Leia e tire suas próprias conclusões….Uma obra de gênio.






5 comentários:

  1. Já estou em busca...
    Grata, Cris pelas coisas tão sábias que nos indica.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Olá Cristiane!
    Nossa, fiquei super interessada no livro, deve ser demais, gosto desse tipo de tema.
    Obrigada por partilhar.
    um beijo carioca e bom final de semana.

    ResponderExcluir
  3. Cris,
    coloque aí ao lado uma *, como mais uma marca recomendável para esta obra maravilhosa. Faz tempo que o li e agora vc me despertou o desejo de relê-lo.Vou me satisfazer.
    Belo fim de semana.
    Bjinhus,
    Calu

    ResponderExcluir
  4. Oi, Cris! Eu tenho o livro e o li há algum tempo... o bastante para desejar relê-lo depois deste post e do anterior. Acho que a literariedade desse trabalho reside justamente nessa abertura de possibilidades... nesse vazio do texto, nesse não-dito que se abre como leque às nossas vivências, desejos e sonhos.
    Abraço,
    Jussara - www.minasdemim.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Cris querida, obrigada pelo comentário tão carinhoso! Eu li sim Ítalo Calvino. Encontrei-o perdido entre tantos outros livros que pertenciam ao sogro de minha irmã quando ainda morávamos na Itália.
    Beijo querida e um lindo domingo,
    Denise - dojeitode.blogspot.com













    ResponderExcluir