26 de fev de 2015

Gansos Selvagens



"Você não precisa ser boa.
Não precisa andar de joelhos por mil milhas no deserto, mortificando-se.
Você precisa apenas deixar o animal suave do seu corpo amar o que ele ama.
Fale-me do seu desespero e eu te falarei do meu.
Enquanto isso, o mundo continua.
Enquanto isso, o sol e as gotas claras da chuva se movem através das paisagens,
sobre as pradarias e as árvores profundas,
sobre  montanhas e rios.
Enquanto isso, os gansos selvagens lá no alto do céu azul,
voltam para casa de novo.
Não importa quem você seja, quão solitária,
o mundo se oferece para a sua imaginação,
duro e emocionante.
E te chama, assim como aos gansos selvagens,
repetidamente anunciando o seu lugar
na família das coisas"

Mary Oliver - poeta americana
Esta é uma tradução livre feita por mim, pois a sua obra não foi publicada no Brasil

Para inspirar a todas, e especialmente as que estarão em março no Grupo de Estudos - A Feminilidade Consciente e as que iniciarão o Círculo de Luz - Travessia para Avalon. 

Este poema nos lembra que existe dentro de nós um lar, um lugar de repouso, acolhimento e proteção. Onde podemos descobrir quem somos, o que desejamos e qual caminho seguir. E que este caminho começa quando honramos o corpo com suavidade.

A vida nos chama muitas vezes para voltarmos para casa, de formas mais duras ou suaves, só depende de nós ouvir o chamado.

Este poema me toca profundamente. E a você, o que ele diz?





9 comentários:

  1. Olá Cristiane,

    O poema e lindo e enriquecedor, impressionante como muitas vezes, sem sentir, nos deixamos levar para longe, e como é bom regressar!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, Cristiane. Esse é um poema profundo, era o que eu precisava para hoje. Sabemos da transitoriedade de tudo, mas às vezes queremos controlar a vida, o tempo, o que não nos cabe controlar. Somos gansos voando a caminho de casa, deixemo-nos levar... Gratidão por me lembrar disso.

    Paz e luz

    ResponderExcluir
  3. OI Cris,
    Adorei o poema, é lindo!!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Um belo poema, Cris! Sinto sempre esse chamado dentro de mim... E tenho percorrido caminhos diversos para o retorno ao lar. Eu sempre volto, mesmo que seja de formas diferentes. Pena que me distraio e acabo me perdendo dele novamente... e novamente... E a saga do retorno recomeça. Ótimo sempre aparecer por aqui. Sinto uma energia incrível. Esqueci de lhe falar: estou gestando meu segundo bebê. Um momento maravilhoso! Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Diz que somos parte de um todo e que o todo reside em nós
    Que somos natureza, raízes, asas, garras, água, terra, céu e ar e que precisamos fazer uso e buscas internas e exteriores para aproveitar nosso infinito e mutante potencial

    ResponderExcluir
  6. Oi Cristiane,
    Lindo poema para nos chamar a atenção, como você mesma escreveu, que "existe dentro de nós, um lar".
    Bj e bom fim de semana,
    Llylia

    ResponderExcluir
  7. Este chamado em poética profundidade clama pelo real valor do espírito imortal que nos habita e ecoa nossos sentires acerca do mundo que nos rodeia e do lugar que temos nele.Revelador!!!

    Grata pela partilha, Cris.
    Bjos e bom final de semana.
    Calu

    ResponderExcluir
  8. Cristiane , também a mim o poema toca com profundidade .
    O chamamento da volta ao nosso interior deve ser feito sempre .
    É uma verdadeira prece e só posso agradecê-la por nos fazer conhecer esta beleza .
    Beijos

    ResponderExcluir