1 de ago de 2016

O Que Eu Sei Na Medula dos Meus Ossos - Poema de Clarissa Pínkola Estés




Ela declamou este poema durante uma palestra. 
A tradução foi feita por mim, pois não está publicado em português.
Dedicado a todas as mulheres e especialmente às Lobas:

 Não é nossa missão consertar o mundo inteiro de uma vez,
mas nos esforçarmos para reparar a parte do  mundo
que está ao nosso alcance.

Qualquer coisa, mesmo sutil ou pequena,
que uma alma possa fazer para ajudar outra alma,
dando assistência a alguma parte deste pobre mundo sofrido,
ajudará imensamente.

O que é necessário para uma mudança dramática
é o acúmulo de ações.
Mais, mais, e mais....continuamente...
Sabemos que não são necessárias todas as pessoas da Terra
para trazer justiça e paz,
Mas apenas um pequeno e determinado grupo
que não desistirá durante a primeira, a segunda ou a centésima tempestade.

Uma das ações mais pacíficas e poderosas para intervir
num mundo tempestuoso é ficar firme e mostrar sua alma.
A alma brilha como ouro em tempos escuros.
A luz da alma atira centelhas, envia labaredas,
manda sinais de fogo e incendeia as outras.

Mostrar a lanterna da alma em tempos sombrios como estes
Ser ao mesmo tempo implacável e misericordiosa,
Ambos são atos de imensa bravura e enorme necessidade.

As almas que lutam recebem luz de outras almas
que estão completamente acesas e dispostas a iluminar o caminho.
Se você conseguir apenas acalmar um tumulto (externo ou interno), 
já será uma das coisas mais poderosas que poderá fazer.

Sempre há momentos em que nos sentimos desencorajadas.
Eu também sinto desespero muitas vezes em minha vida,
mas não lhe ofereço um assento; eu não o entretenho,
Não permito que coma do meu prato.

A razão é simles.
Na medula dos meus ossos eu sei algo que você também sabe:
Que não pode haver desespero quando
você se lembra por que veio para a Terra,
a Quem você serve e Quem te mandou para cá.

As boas palavras que  dizemos
E as boas ações que realizamos não são nossas.
Elas são as palavras e as ações Daquela que nos trouxe aqui.


Clarissa Pinkola Estés


Estou voltando queridas amigas!
Obrigada pelo carinho, em breve retribuirei as visitas.





13 comentários:

  1. Bom dia, Cristiane. Bom regresso.
    Será uma "frase clichê" a que diz que: "enquanto mudar a vida de um, estarei mudando o mundo", mas, não faz dela menos verdade. E, se assim pensássemos e agíssemos em conformidade, com certeza teríamos um mundo, ainda que não perfeito, muito, mas muito mais pacífico e menos dorido.
    A vida, por si só, já é tarefa difícil, pois que a maior parte das criaturas já está condicionada por factores económico-sociais, e até naturais, a ter o acesso aos bens essenciais dificultado. Há seres humanos a quem a sobrevivência já é demasiado difícil, fazendo uma vida de muito trabalho árduo, que pouco ou nenhum tempo lhes deixa para acarinhar a alma. Mas, quando se acrescenta a essas dificuldades, que, com luta, vão sendo superadas, outras, trazidas por irmãos de espécie, mas não filhos da mesma luz, pois que são seres de sombra escura, tenebrosa, onde a luz parece ferir, em vez de iluminar, a vida, que deveria ser dádiva, torna-se no caos.
    As tempestades são tantas e cada vez mais gravosas.
    Por tudo isso, torna-se cada vez mais imperioso que não se deixe esmorecer a própria luz e se trabalhe para permitir que siga a se expandir. E que o pensamento de que apenas as grandes obras fazem a real diferença não deixe desanimar as mãos pequeninas, por que as modestas pontes de madeira também juntam as margens do rio. O mundo precisa de cada pequeno sorriso - que será tão grande para quem não vê nenhum dirigido a si. O mundo precisa que não se tenha receio dos fracassos, ainda que os ombros desçam e a fé esmoreça em certos momentos. O mundo precisa que cada um dos seres que conhecem a verdadeira essência da existência acreditem que uma palavra ou um estender de mão, ainda que não mude o mundo, irá mudar uma vida e garantir a razão do seu existir como criatura.
    Eu que sou quase nada, é assim que quero prosseguir o resto de vida que tenho, curta ou não, para que nunca sinta que foi inútil viver.
    “Nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo;
    todo homem é um pedaço do continente, uma parte da terra firme.
    Se um torrão de terra for levado pelo mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse o solar dos teus amigos ou o teu próprio;
    a morte de qualquer homem me diminui,
    porque sou parte do gênero humano,
    e por isso não me perguntes por quem os sinos dobram;
    eles dobram por ti.” (John Donne)
    E que você, Cristiane, com sua luz bonita, possa seguir sua vida fazendo o que de melhor você sabe ;)
    Um bj amg e boa semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa Carmem, estou muito emocionada com seu comentário tão profundo, verdadeiro e amoroso, deixarei uma resposta também no seu blog para que possa ler.
      Cada uma de nós é uma pequena luz e juntas iluminamos uma vila inteira.
      Gratidão amiga!
      Grande abraço

      Excluir
  2. Lindo poema escolheste pra tua volta! Também acabo de voltar! beijos, chica, feliz agosto!

    ResponderExcluir
  3. Bom dia!

    Que lindo texto! Merece aplausos infindáveis por tão verdadeiro e tocante que é !

    Abraços,

    Mariângela

    ResponderExcluir
  4. Oi Cris,
    Que poema lindo!
    Vc fez uma falta imensa!!! Que bom que está voltando.
    Bjs
    Sorteio de uma clutch

    ResponderExcluir
  5. Um poema lindo amiga, adorei! Assim como a tua volta...
    bjus, que agosto seja um mês maravilhoso pra ti!

    ResponderExcluir
  6. Oi, Dra. Cristiane!
    Adorei a poesia!
    A esperança mora num sorriso, quem sabe numa palavra ou talvez numa mão estendida!
    "Uma minúscula faísca pode provocar gigantescos incêndios"!
    Acredito existir muito mais pessoas do bem, querendo fazer o bem; falta apenas entrelaçar as mãos!
    Beijo carinhoso, feliz semana!

    ResponderExcluir
  7. Oi Cristiane, espero que tenha tido um bom descanso.
    O poema todo é lindo, mas a primeira frase: não é nossa missão consertar o mundo inteiro de uma vez... me chamou bastante a atenção. Nossa missão,acredito, é transformar o mundo interno, melhorar como pessoa, trabalhar as imperfeições que carregamos, aprender de fato amar.
    Quando soubermos amar incondicionalmente, teremos colaborado para consertar uma parte do mundo,e por mínima que seja essa parte, já terá válido a pena.
    Um carinhoso abraço,
    Sônia

    ResponderExcluir
  8. Cris, Desejo que tenhas tido um abençoado descanso. Fico feliz que estais de volta e já nos presenteado com esse poema riquíssimo de reflexões. Amei.

    Gratidão, gde abraço!
    Bem vinda!
    Rosângela

    ResponderExcluir
  9. Belo texto, repleto de lições a serem exercitadas...

    "Eu também sinto desespero às vezes em minha vida, mas não lhe ofereço um assento." Boa frase para imprimir, pregar na parede e ler todos os dias.

    Bom retorno, Cristiane. Belos dias.

    Paz e Luz

    ResponderExcluir
  10. "... ser ao mesmo tempo implacável e misericordiosa! São versos absolutamente tocantes e muito profundos.
    Gostei muitíssimo de ler e agradeço, Cristiane, pela partilha, já que não temos acesso, assim facilmente, a muitas leituras.
    Um bom retorno, beijos e forte abraço.

    ResponderExcluir
  11. Noooosssa Cris que poema maravilhoso!!!! Até guardei para mim. Inaugurou seu retorno em grande estilo imagino as próximas postagens como serão... poderosas. Um ótimo final de semana cheinha de paz e alegrias sem fim. Com carinho da fã Rê.

    ResponderExcluir
  12. Cristiane , sua volta esperada não podia ser melhor . Nos presenteia com tão belo poema generosamente traduzido para nossa reflexão . Muito obrigada . Beijos

    ResponderExcluir