3 de out de 2016

Correndo com Lobos - Capítulo 5 - A Mulher Esqueleto


Neste mês entramos no quinto capítulo: "A Mulher Esqueleto", um lindo conto do povo inuit, que nos ensina a importância de respeitarmos os ciclos vitais de nascimento e encerramento, de lamentações e festejos.

Este é um dos capítulos mais difíceis do livro, porque nos coloca diante das questões fundamentais da vida de forma muito direta e contundente.

O encontro do pescador e da Mulher Esqueleto nos mostra que o amor tem seu custo. Precisamos de coragem para sair do mundo da fantasia e encarar nossas fragilidades e feridas. Encarar o não-belo e acolhê-lo em nós mesmas e no outro.

Amar apesar de.
Amar cara a cara. 
Amar ossos a ossos.

Se conseguirmos encarar e cuidar da Mulher Esqueleto em nós, poderemos viver um amor maduro e duradouro.


Trabalhamos os temas através de uma linguagem não verbal com as práticas de integração psicofísica. Utilizamos algumas práticas da Eutonia, da Alquimia Interna Taoísta e práticas de Renascimento baseadas nas técnicas da Osteopatia Visceral.

Na Roda de Conversas esclarecemos as dúvidas e destacamos os pontos principais para que possamos viver o amor de forma madura e consciente, trazendo esse conhecimento para a vida diária.

Foi muito bom vivermos juntas mais esta experiência tão profunda e amorosa.

No mês que vem tem mais!




13 comentários:

  1. Quanta coisa boa para ser feita! Haja tempo para tudo isso! Bjs

    ResponderExcluir
  2. Cris,
    Teve ter sido maravilhoso, e essa frase encarar o não-belo me chamou muito a atenção. Realmente precisamos despertar de nossas fantasias.
    Um beijo e uma boa semana.

    ResponderExcluir
  3. Cristiane, deve ser maravilhosa a vivência de vocês.Parabéns pelo trabalho.Realmente, vc deve ser muito especial.bjs

    ResponderExcluir
  4. Eu preciso de uma tarde dessas... que maravilha!
    Apesar de ser muito dificil, essa frase sua me pegou ---sair do mundo da fantasia, que precisamos encarar as nossas fragilidades e feridas e também as do outro, encarar o não-belo.
    Estou encontrando com a minha criança interior e semana passada trabalhei o desapego e o abandono, muito difícil...
    Que trabalho magnifico vc faz!

    ResponderExcluir
  5. Parabéns Cris!
    Felizes as mulheres que cruzam mulheres como vc flor.
    Beijinhos.

    Flores e Luz.

    ResponderExcluir
  6. Bom, nunca ouvi falar desse conto - se for prá crianças, e eu fosse uma, acho que ia ficar meio assustada (essa coisa de caveiras sempre me assustava muito quando eu era pequena, tinha uns filmes que passavam na sessão da tarde que me davam pesadelos, com caveiras andando...). Mas se fala de coragem no amor, então disso eu entendo. Realmente, pro amor seguir sendo amor e não decepção a gente tem que acordar do sonho e aprender a apreciar a realidade - até prá poder, aos poucos, melhorá-la. Todo mundo mostra seu melhor lado no começo de um relacionamento e acho que por isso muitos casamentos fracassam. As pessoas não conseguem lidar com o cotidiano, com os defeitos mútuos, com as dificuldades pelo caminho. É preciso coragem prá salvar o amor todo dia, boa vontade prá alimentar esse amor, se ele é precioso. Fala sobre isso a historinha? Então acho que não me assusta tanto...

    Beijos e uma linda semana prá você, Doutora querida, e para as suas pensadoras.

    ResponderExcluir
  7. Oi Cris,
    Nunca tinha ouvido falar deste conto, deve ser interessante.
    Aproveite a semana!
    Bjs

    GOSTO DISTO!

    ResponderExcluir
  8. Cris, queria que tu fosse minha terapeuta!!!!
    Aliás, tenho mais de uma amiga que não está bem e tenho tentado ajudar o quanto posso... Fiquei preocupada... As pessoas têm tantas dificuldades... Mas a maioria está relacionada com nossa maneira de encarar as coisas... Alguma luz para me dar e eu as iluminar??? hehe... Mas um livro já seria uma boa indicação!!! Beijooo lindona

    ResponderExcluir
  9. Oi Cris, pra mim amar o não-belo é enxergar os defeitos que há em nós e no outro e ainda assim nos amarmos e continuarmos amando o outro... Como isso é difícil! Dói, machuca e nos tira do conto de fadas, mas quando conseguimos transformar os sentimentos e iniciar a conquista da indulgência para com os defeitos alheios, colocando-nos em igualdade, tudo vai fluindo e caminhando para uma etapa madura e de verdades que equilibram o relacionamento.
    Beijos, linda semana pra ti.

    ResponderExcluir
  10. Oi Cris,
    Fiquei curiosa com este conto. Vou ver se encontro na internet.
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Cristiane , ainda vou conseguir tempo para fazer parte destes círculos criados por você . Deve-se sair deles com a alma lavada . Obrigada pela partilha , sempre . Beijos

    ResponderExcluir
  12. Brava Cris! Deu vontade de participar, quem sabe! Não tenho dúvidas de que é excelente.

    ResponderExcluir