30 de out de 2017

Grupo Mito e Psique - Suméria - Deusas Inana e Ereshkigal - Parte 2

Inana passando pelo portal para o Submundo


Inana inicia a descida para o Reino dos Mortos, mas Ereshkigal, tendo ouvido que sua irmã estava a caminho do submundo, fica furiosa: "Quando gritei e implorei por ajuda, ninguém me ouviu! Agora ela vem me fazer uma visita? Como assim?" 

"Este é o Reino dos Mortos! Ninguém vem aqui a passeio."

Inana chega no primeiro portal e encontra um juiz, um guardião, que a impede de passar a menos que deixe sua coroa de Deusa. Ela aceita, entrega a Coroa e continua seu caminho.

No segundo portal, outro guardião pede que deixe seus brincos e seu colar. Caso contrário não poderá prosseguir. Ela os entrega e continua.

No terceiro portal, deixa seu colar de contas de orações.

No quarto portal ela entrega seu escudo peitoral de ouro.

No quinto, seus braceletes.

No sexto, seu cetro de lápiz lázuli, sua barra de medição.

No sétimo, todas as suas roupas. Ela chega diante de Ereshkigal nua e curvada.

Deusa Inana, também chamada de Ishtar, seu símbolo é a serpente e a estrela de oito pontas.

Inana encontra Ereshkigal furiosa e prestes a dar à luz. Ela diz à irmã: "Sacrifiquei tudo para chegar até aqui." Mas Ereshkigal responde: "Não entendeu que você é o sacrifício?" E lança sobre a irmã o olhar da morte. Inana morre, e Ereshkigal manda que pendurem-na pelos pés em uma árvore, para que apodreça.

Três dias se passam e como a Deusa não retornou, Ninshubur vai aos Deuses dos Céus pedir ajuda. Eles a ignoram. Ela fica desesperada e vai até Enki, o Deus das águas doces e suplica por ajuda. Ele se compadece, e com o barro que estava debaixo de suas unhas cria duas criaturinhas minúsculas, sopra-lhes a vida e lhes entrega o pão e a água da vida.

Deusa Ereshkigal

Essas criaturas são tão pequeninas que passam despercebidas pelos guardiões dos portais e chegam rapidamente ao submundo, encontrando Ereshkigal em dores de parto, gritando e lamentando. Eles ficam ao seu lado pacientemente, apenas ecoando seus lamentos.

Ela grita: "Ai minha dor!"....e eles ecoam: "Ai, sua dor!"...

"Ai, meu destino...." e eles: "Ai, seu destino"....

E assim ela pode lamentar-se, sofrer e gritar diante desses seres que a acolhem sem qualquer julgamento, sem necessidade de dar uma resposta. Ao final do trabalho de parto, ela dá à luz uma linda menina, uma Deusa chamada Lilith (depois o monoteísmo deturpou totalmente a história de Lilith).

Deusa Lilith

Ela fica tão agradecida a esses seres, que oferece a eles o que quiserem. Eles dizem que querem apenas o corpo de Inana e ela concorda.

Eles retiram o corpo de Inana da árvore e colocam o pão e a água da vida em sua boca. Ela volta a viver! 

Eles iniciarão a jornada de volta à superfície, mas antes Ereshkigal os avisa de que alguém deve tomar o lugar de Inana, pois a quantidade de almas no reino dos mortos não pode mudar. Ela envia um grupo de soldados com Inana para garantir que trarão um substituto.

E agora? 

Na terceira e última parte...Já, já...Aguarde.


Se perdeu a primeira parte (aqui).

3 comentários:

  1. Muito lindo isso e já curiosa pelo fim...bjs praianos,chica

    ResponderExcluir
  2. Oi Cris,
    E agora? Agora eu fico morrendo de curiosidade pela terceira parte!
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Oi Cristiane,
    Tão bom ler em partes! Desperta a curiosidade, a imaginação!
    Li a primeira parte também,...Agora louca para saber o fim.
    Beijo carinhoso, feliz semana!

    ResponderExcluir