10 de mai de 2014

Filme - Frozen, Uma Aventura Congelante

Frozen - Uma Aventura Congelante
Disney - 2013

Esta bela animação da Disney tem um roteiro muito interessante  do ponto de vista psicológico.
Conta a história de duas princesas que são irmãs e muito unidas. Elza, a mais velha, nasceu com o raro dom de produzir neve e transformar qualquer coisa em gelo. Elas adoram brincar juntas, Elza vai produzindo montes de neve para Ana pular e se divertir. 
Mas numa dessas brincadeiras acontece um acidente com Ana que quase lhe custa a vida, e para protegê-la Elza é obrigada a isolar-se e esconder seu dom de todos. Isso causa um grande sofrimento às irmãs.
Só que a vida dá suas voltas e ao ficarem adultas o dom de Elza (que foi tão escondido) se torna incontrolável, fazendo com que o reino mergulhe num inverno eterno. Ela, desesperada, foge para evitar causar mais problemas.
Mas Ana sai em busca da irmã enfrentando vários perigos, e seu amor por ela produz um milagre, permitindo que Elza descubra uma forma de controlar seu poder e usá-lo em benefício de todos.
A história tem outros personagens interessantes e engraçados, e um boneco de neve falante que é uma graça e “rouba" várias cenas do filme.
Uma história sobre o poder do amor, sobre lealdade e ver além das aparências.
Diversão garantida para toda a família. Recomendo a todas!


Para Aprofundar a Experiência
Sugiro que assista primeiro ao filme para ter seu próprio olhar
 e depois leia a análise psicológica.

Muito interessante a questão da repressão do dom de Elza, que ilustra um princípio básico da psicologia: Tudo o que for reprimido voltará no futuro de forma destrutiva e geralmente sem controle.
Por não poder usar seu dom, Elza não aprende a controlá-lo e usá-lo de forma criativa. 
Muitas crianças cuja natureza não é aceita pelos pais têm seus potenciais e desejos reprimidos, gerando vários problemas no futuro. Principalmente as mulheres, para serem “boas meninas”, acabam abrindo mão de seus dons para agradar e pagam um preço alto por isso.

Sobre o príncipe e o vendedor de gelo.
Paixão, Amor, Lealdade e Traição.
Uma outra mensagem interessante aqui. Ana se apaixona pelo príncipe e fica noiva no mesmo dia! Isso causa espanto em todos e ela não entendo o porquê.
O vendedor de gelo também a questiona perguntando se seus pais nunca a alertaram sobre estranhos, mas ela ainda não compreende.
Mas ao viver todas as aventuras e dificuldades (durante a busca da irmã) com o vendedor de gelo, ela percebe que algo se constrói na convivência que é mais forte do que a paixão inicial. O amor é um ato de criação, de construção e cuidado ao longo de toda a vida.

Também aparece aqui a questão de julgar pelas aparências: o belo e sedutor príncipe na verdade era mau, e trama a  morte das irmãs. O homem simples e rude tinha bom coração e sentimentos verdadeiros.

Outro ponto muito interessante nesta história é a questão do “ato de amor verdadeiro” que salvaria a vida de Ana. Todos pensam que o gesto deve vir de fora, que alguém que a ame verdadeiramente irá salvá-la, mas no final descobrimos que o gesto de amor que salva, deve vir dela. 

Muitas vezes ficamos esperando que alguém resolva nossos problemas, mas a salvação está dentro de nós. O gesto de doação de amor tem um enorme poder de transformação e cura.



10 comentários:

  1. Nossa, já ouvi falar muito sobre esse filme, minhas sobrinhas sempre me convidavam para assisti-lo, mas eu sempre desconversava... mas agora fiquei bem interessada.

    Cris, minha querida e amada amiga! Ao nutrirmos uma nova vida dentro de nossos ventres, nutrimos também uma história de alma e sentimentos, dores e anseios, delicadezas e poesia, amor e afeto, começo e fim, vida e morte. E tentando entender todos os sentimentos que envolvem essa vida que pulsa dentro de nós, com mil questionamentos e um papel até então desconhecido a desempenhar, nos vêm à urgência de transformar o desconhecido em espetáculo, festa, luz e felicidade. E então subitamente nos vemos mães de fato. Olhamos em volta e lá está a coisa mais importante de nossas vidas, um pedaço de nossa alma, uma pequena grande extensão de nós mesmas, o maior amor que já experimentamos. Por isso eu celebro as mães com carinho e respeito. Todas, sem exceção. Celebro as que amam incondicionalmente, as que estendem seus braços e acolhem em adoção, as perfeitas e imperfeitas, as que seguem e as que desistem, enfim, eu celebro as mães sempre, mas acima de tudo aquelas que sabem que são humanas, que cometem erros e perdoam-se porque sabem que, para ser mãe, acima de tudo é preciso saber que somos seres imperfeitos e que muitas vezes há um caminho longo a se percorrer entre idealização e realidade. Bem, já falei demais, então minha querida amiga, desejo a você um dia das mães pleno, feliz, cheinho de amor, do jeitinho que você merece. Obrigada pelo carinho, pelo recadinho que me deixou tão feliz! Você tem um lugarzinho muito especial em meu coração, e sempre o terá!
    Beijo com carinho,
    Denise – dojeitode.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Olá,Cris!
    Tudo bem? Ainda não tive a oportunidade de assistir à este belo desenho animado, mas com certeza já está na minha lista de desejos! Parece ter mesmo uma estória muito bonita e repleta de significados, que sem dúvida servem de reflexão para alguns dos importantes temas da nossa vida. Interessante que muitas pessoas sempre vêem esses "filmes para crianças" com um certo preconceito, achando que são apenas produtos de puro entretenimento, e quase sem nenhuma profundidade educativa ou filosófica. Mas de fato, muitos deles são primorosos em qualidade técnica e desenvolvem temas universais nas suas estórias,sempre importantes para o desenvolvimento das crianças e para a reflexão dos adultos. Sei que sou meio suspeita no assunto, pois confesso que adoro esses filmes "infantis", e sempre que posso, assisto com os meus filhos...Uma doce mania de família! (Rs...) Muito obrigada, querida Cris, pela ótima sugestão! Tudo de muito lindo e bom pra você,amiga!
    Beijo grande carinhoso e um lindo dia das mães pra ti, no aconchego da tua família!!!
    Teresa
    (do blog "Se essa lua fosse minha")

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Já ouvi vários comentários sobre esse filme, estou ansiosa para assistir....
    E agora deu mais vontade ainda, rsrsrs....assim q. eu assistir eu volto para comentar.
    Ótimo FDS!
    Um super bjo!

    Alê- Bordados e Crochê
    Fã Page

    ResponderExcluir
  4. Oi Cristiane,
    Suas sugestões sempre ótimas!
    Não li a analise ainda! Obrigado por compartilhar!
    Tenha um fim de semana muito feliz!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Cris,
    vou aproveitar meu momento pausa( dedinho quebrado/imobilizado) para assistir o filme. Fiquei bem interessada.
    Quanto ao meu post, o que constato é a boa sintonia que temos sobre a alma feminina e suas muitas interpretações, isso é contagiante e motivador.
    Um feliz domingo!
    Abraços afetuosos,
    Calu

    ResponderExcluir
  6. Toda solução de problema está em nós , mesmo que pensamos
    que está no outro, temos raízes que tem que ser trabalhadas e retiradas
    para um bom convívio e cura,boa ilustração da historia que usou.
    bjs
    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Cristiane , suas indicações é para serem seguidas . Assistirei ao filme , com certeza . Muito obrigada . Tenha , amanhã , um dia bem alegre como desejo a todas as mães . Beijos

    ResponderExcluir
  8. Olá Cristiane,
    Assistir ao filme na semana passada e gostei muito, adoro desenhos. Gostei do sentimento de amor entre as duas irmãs, como tenho duas filhas me tocou bastante.
    Beijos e boa semana.

    ResponderExcluir
  9. Meio atrasadinho o meu comentário ... mas valioso, claro, como todos os demais.
    Assisti o filme assim que estreou,( eu e meu filhote de 21 aninhos rsrsrs). Não foi planejado, foi meio que por farra sabe? Mãe cinquentona e filhote grandinho assistindo filme pra "criancinhas". Que surpresa amiga!!! Foi lindo...lindo...lindo..Saímos comentado justamente algumas questões que vc tão cientificamente colocou, como a questão das aparências, tão cultuada e valorizada nesse momento em que estamos vivendo. Outra questão que discutimos e que vc colocou foi a crença em nós mesmos. As vezes somos tão bombardeamos de informações e de julgamentos pré concebidos que nos sentimos acuados, nos escondemos, trancamos em nós os nossos "dons" por falta de confiança. Olha aí a necessidade que temos de ser aceitos...Nossa!!! O cérebro humano não é fácil não !!!!
    Ô Doutora tá sendo muito bom ter te descoberto
    Tô amando seu blog ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem vinda querida, obrigada pelo comentário tão carinhoso.
      Fico feliz que tenha gostado do blog, ele é feito com muito amor.
      Bjs

      Excluir