Quanta Liberdade Você Tem?



Como medir o grau de liberdade de uma pessoa? 

Basta perceber a distância entre um estímulo e sua resposta. 

Quanto mais rápido vier a resposta, menor o grau de liberdade. 

Quanto mais tempo entre o estímulo e a resposta, maior será a liberdade. 

Como assim? 

É simples: se respondemos imediatamente a um estímulo, estaremos respondendo a partir de condicionamentos adquiridos. Será algo reativo. Não há espaço interior para processar emoções, pensamentos... portanto, menor grau de liberdade.

Se o tempo entre o estímulo e a resposta é maior, há tempo para assentar, cuidar das emoções que surgirem e perceber se merece uma resposta ou não. Se merecer, posso refletir como quero responder. 

Neste caso não será uma mera reatividade condicionada, ha espaço para fazer diferente, para escolher como responder; portanto o grau de  liberdade é maior.

Por exemplo, todo mundo já experimentou conversar com alguém que nem te deixa terminar uma frase e já vai respondendo. Qual é o grau de liberdade dessa pessoa? Isso gera mal entendidos e desgastes desnecessários não é? 

Ou então o imediatismo das redes sociais que estimulam as interações impulsivas, debates desgastantes no calor das emoções, excesso de exposição da vida pessoal, agradar seguidores...qual o grau de liberdade que há nestes comportamentos? 

Quero aumentar meu grau de liberdade. Como faço?

Comece respirando profundamente uma vez antes de responder a uma fala de alguém. Não responda de imediato. Uma simples respiração pode interromper o circuito reativo gerado  no sistema límbico e dar um pequeno espaço para refletir. 

Diante de um convite, uma proposta ou uma decisão, experimente dizer: Vou pensar sobre isso e responderei assim que possível.

Nas redes sociais, se um comentário ou um post despertar raiva, deixe o celular de lado por um minuto. Levante-se, respire, tome uma água. Dê um tempo para ver se quer interagir e como. 

Lembre-se sempre de se conectar com a respiração quando precisar de centramento. A respiração é a senhora da mente. Quanto mais conectada com ela, mais fácil ampliar nosso grau de liberdade.

É um aprendizado, não desista. Com o tempo nosso espaço interno vai aumentando.

Por que é tão importante aumentar o grau de liberdade? 

Porque quanto maior o grau de liberdade, mais recursos disponíveis para enfrentar os desafios e mais fácil cultivar a paz interior.

Interessante, não é? E faz tanta diferença...😉

"A única forma de lidar com um mundo sem liberdade 
é tornar-se tão absolutamente livre 
que sua mera existência seja um ato de rebelião."
Albert Camus




Sustentar Espaço - Parte 2


Como abrir espaço interno e sustentá-lo? 
 
Isso podemos aprender. É um exercício de amor.

Lembre-se de ancorar na respiração e relaxar a língua sempre que precisar de centramento (como ensinei no post anterior) 😉

Dicas para este aprendizado:
  
1 - Ofereça-se somente a quantidade de informação e estímulos com a qual é capaz de lidar em cada momento. 

2 - Afaste-se do que te sobrecarrega emocionalmente ou drena sua energia.

3 - Se houver sobrecarga emocional, procure um lugar seguro e deixe as lágrimas fluirem; se estiver com raiva, soque uma almofada. 

4 - Com os passos 1, 2 e 3 a tensão interna se reduz bastante, assim é possível se conectar com a intuição. 

5 -  Deixe o Ego fora disso. Permita-se errar. Onde não há espaço para errar, não há espaço para criar.

6 - Permita que cada pessoa viva sua história, isto tira um peso enorme dos nossos ombros.

7 - Quando estiver atravessando momentos difíceis busque inspiração na natureza, artes, música, boas leituras. 

8 - Encontre formas criativas de expressar suas emoções: faça uma colagem, pinte, escreva num diário, dance, cante...

9 - Aceite que outras pessoas sustentem espaço para você quando necessário. Aceite ser cuidada. 

Vá treinando cada passo com paciência e amor até que se torne um hábito. Então será uma boa anfitriã para si mesma e poderá sustentar espaço para sua alegria de viver e para ajudar outras pessoas.

"Se a sua compaixão não te inclui , ela é incompleta"
Buda Sakyamuni


Para ver a primeira parte deste post, clique Aqui







O Que é Sustentar Espaço? Porque é Tão Importante?



Você é uma boa anfitriã para si mesma? 

Esta pergunta costuma causar espanto, pois a maioria das pessoas pensa em ser boa anfitriã para os outros, mas esquece de si.

Mas para transformar algo, desde uma mudança de hábitos no cotidiano, elaborar uma perda, acompanhar a jornada de outra pessoa, ou realizar algo que tenha impacto positivo, é necessário primeiro sustentar espaço para si mesma. 

Sustentar espaço é estar presente, sem julgamento, e sem necessidade de uma resposta imediata.

Assim é possível acolher emoções, dúvidas e conflitos internos, e aguardar para que cada coisa encontre seu lugar dentro de nós. É algo que podemos aprender e cultivar.

Para começar, conecte-se com a respiração sempre que precisar de centramento. Relaxe a língua dentro da boca e perceba como isso muda o padrão respiratório. Ao soltar a língua, naturalmente a garganta, o diafragma e o assoalho pélvico relaxam permitindo uma respiração suave e profunda. 

Faça pequenas pausas ao longo do dia para simplesmente existir.  Olhe pela janela,  veja o céu ou algum detalhe da paisagem, respire. Apenas alguns minutos já ajudam a desacelerar.

É algo tão simples, mas reduz a ansiedade e traz clareza mental. Permite a auto-regulação emocional. O primeiro passo para aprender a sustentar espaço.

Inclua este pequeno cuidado no seu dia a dia e perceba a diferença.

A partir daí é possível aprender a sustentar espaço para lidar com as emoções, sintonizar com a intuição, a criatividade e principalmente para a alegria de viver, como vou explicar no próximo post.

Para ver a continuação, clique Aqui





O Poder Terapêutico do Círculo de Mulheres



"Um Círculo é um lugar igualitário de aprendizado, que lhe dará apoio se você suprime ou sufoca seus sentimentos, minimiza ou nega o que vê, ou não diz o que quer e ninguém ao seu redor parece notar. 

Apenas estar lá.

Um Círculo confiável tem um centro espiritual e respeito pelos seus limites. É um agente poderosamente transformador. 

Círculos também funcionam como grupos de apoio: se você quer transformar algo em sua vida ou em você mesma, o Círculo é uma base segura para suas tentativas. 

... Ele pode ser como uma ilha onde se pode falar livremente e rir. 

Também nos faz conscientes sobre o que fazemos para perpetuar o status quo e como podemos alterá-lo.

Cada mulher, em cada Círculo, que se transforma através de sua experiência nele, leva estas mudanças para outras relações. Até que em um determinado dia, um novo Círculo se formará e ele será o Milionésimo Círculo - aquele que faz a diferença e nos levará a uma era pós patriarcal. "

Jean Shinoda Bolen 
O Milionésimo Círculo

Trecho da Aula 3 do Curso de Formação de Facilitadoras de Círculos de Mulheres e Grupos Terapêuticos Femininos, onde trabalhamos Centramento de Grupos e como sustentar espaço para que a transformação aconteça.


Abandonar o Papel de Vítima - Cap. 1 - O Barba Azul


Já se perguntou por que nos sabotamos, adiamos coisas que são importantes para nossa alma ou repetimos situações que nos prejudicam? 

Porque todos temos também aquilo que não é belo e elevado; a destrutividade. Para vivermos de forma íntegra e buscarmos a completude precisamos cuidar disso também.

Quando não é identificado e devidamente cuidado,  esse aspecto destrutivo permanece inconsciente. 

Desta forma podemos encontrar pessoas e situações em nossas vidas que têm as características ideais para receber a projeção do nosso próprio predador interno e nos vemos dentro de uma situação abusiva ou destrutiva.

Conforme disse Jung: 
"Aquilo que negamos em nós mesmos, enfrentamos como destino."

Somos ensinadas desde muito cedo a sermos boazinhas, a ingenuidade é valorizada como qualidade, o que nos torna presas fáceis para esse aspecto negativo.  

Ao invés de brigar com ele, ou de reprimi-lo, nós o desarmamos.

Preste atenção à sua intuição, faça perguntas, seja curiosa, veja o que estiver vendo, ouça o que estiver ouvindo e depois aja com base no que seu coração sabe ser a sua verdade.

Assim é possível direcionar a força desse aspecto negativo a favor da vida. 

O veneno transforma-se em remédio. 

Entendeu? 😉

Um resuminho do nosso encontro do Grupo de Estudos e Vivências do Livro "Abandonar o Papel de Vítima", de Verena Kast. Mês que vem tem mais...