4 de nov. de 2020

O Que Há de Melhor Nesta Vida - Histórias que Curam - Grupo Mito e Psique



Certa vez, lá no alto do Monte Olimpo, Zeus estava mergulhado numa profunda reflexão. Ele queria saber o que havia de melhor na vida dos seres humanos. 

Deuses, Deusas, Ninfas, Faunos e Musas se reuniram. Ele então chamou o Deus Eros:

 - Por favor, seja nosso juiz, o que há de melhor nesta vida? 

 - Claro que é o Amor!

Mas Afrodite, interrompeu enquanto alisava suas longas tranças: - Ah, não! O melhor desta vida é a beleza, a graça.

Muitos vieram dar sua opinião, mas não conseguiram chegar a uma conclusão. Então Zeus chamou Hades e sua esposa Perséfone, os guardiões do mundo dos mortos, para virem ao Olimpo. 

Hades é um Deus tímido e muito zeloso, não queria se ausentar e deixar as almas sem direção no caminho para a outra vida. Então pediu que sua esposa Perséfone fosse sem ele, afinal ela era conhecida por ser muito sábia. 

Ela chegou ao Olimpo com suas vestes tecidas com as noites profundas, bordadas com pérolas e rubis: - O que queres de mim?

Zeus disse: - Querida Perséfone, você é a Deusa que vê a dissolução do que existe e acompanha os mortos, por favor, seja nossa juíza e nos diga: qual a melhor coisa da vida?

Perséfone olhou todos os Deuses e Deusas e pediu que passassem diante dela um a um. 

O Deus do Amor veio primeiro e deixou cair de sua túnica milhares de rosas perfumadas que cobriram a terra. Em seguida veio Athena, a Deusa da Sabedoria, que esmagou as rosas e no lugar delas deixou cair milhares de camélias brancas. Depois Afrodite passou semeando papoulas vermelhas. Um depois do outro, os Deuses e Deusas passavam esmagando as flores que ali se encontravam e semeando outras. 


No final, não restava nada, exceto uma florzinha roxa que teimava em florescer e permanecia intacta. Uma Deusa de manto lilás, plena de serenidade as havia semeado no meio do caminho dos outros Deuses. 

Perto desta singela flor, a Deusa da Morte sentiu sua impotência diante da grandeza e da força da criação. 

Ela então disse: 

- Estas flores foram semeadas pela Deusa da Recordação e são as únicas que permaneceram. A Morte só existe onde não há memória. A melhor coisa da vida são as boas lembranças. 

E por isso estas flores foram batizadas com o nome de Perpétua. Os Deuses desejaram que os seres humanos tivessem uma coleção de boas lembranças tão bela e resistente quanto um campo destas flores.


Linda história, não é?

Sabia que esta flor tem uso medicinal há séculos? É anti-inflamatória, analgésica, anti microbiana e anti oxidante, retardando o envelhecimento das células. Usada principalmente na forma de chá. 

Diz a lenda que Perséfone deu a esta florzinha as propriedades medicinais de todas as outras flores...


7 comentários:

  1. Bom dia de serenidade, querida amiga Cristiane!
    O Deus do Amor veio primeiro e deixou cair de sua túnica milhares de rosas perfumadas que cobriram a terra.

    Tão lindo o post, tocou meu 💙 nesta manhãzinha que amanheço perfumada.
    Vou referenciar e lhe aviso.
    Sabe muito bem como postar e embelezar a blogosfera perfumadamente.
    Tenha dias abençoados!
    Bjm carinhoso e fraterno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite de serenidade, querida amiga Cristiane!
      Você está aqui:
      https://espiritual-marazul.blogspot.com/2020/11/perfumado-amor-inspirada-em-astrid.html
      Com carinho de gratidão
      😘💐🏠😇🙏

      Excluir
  2. Adorei a história e bom saber das flores e suas propriedades. Lindo post, mais uma,aliás! bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. Oi Cris,
    Que lend linda! Não sabia desta florzinha.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Lindo demais!
    Amei essa história! Obrigado por compartilhar!
    Tenha uma semana maravilhosa!
    Beijo carinhoso!

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia o blog.

    O texto é muito elegante e belo.

    Uma boa semana para si!

    ResponderExcluir
  6. Que linda flor é a Perpétua. Não conhecia, vou buscar mais sobre ela. E por coincidência, fiz um poema sobre flores esses dias. Gostei disso: "A morte só existe onde não há memória." Abraços.

    ResponderExcluir