5 de fev de 2013

Colo dos Pais Evita Ansiedade e Depressão


Ouço várias pessoas aconselhando mães a não ficarem muito com o bebê no colo para eles não ficarem "manhosos".

Isso me incomoda muuuiiito! Porque não é verdade. As tais "mãnhas"  tem muito mais a ver com o estado emocional das pessoas que cuidam deles.

Bebês e crianças que recebem o carinho do colo da mãe e do pai levam a sensação de aconchego na memória do corpo e esta funciona como um poderoso remédio para os momentos difíceis ao longo da vida. 

A descoberta foi feita pelos pesquisadores do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina de Harvard, nos Estados Unidos.

Segundo essa pesquisa, os bebês e as crianças que tiveram mais contato físico com os pais são adultos mais protegidos contra a ansiedade e a depressão.

Portanto, nada de deixar os bebês chorando no berço, hein...

Abrace suas crianças! 
Carinho nunca fez mal a ninguém.


P.S.: Diante de algumas dúvidas que surgiram deixo claro que em nenhum momento falamos em usar o colo como solução para tudo. Mas oferecer o contato físico sempre que possível, pois essa memória ajudará seus filhos quando forem adultos.

17 comentários:

  1. Concordo!!! Não vou esquecer disso para quando tiver meus filhos, hehe... Carinho é sempre reconfortante...
    Uma linda semana minha amiga e que Deus a ilumine sempre!!!

    ResponderExcluir
  2. Cris,
    Que lindo, eu não sabia disso, vou fazer como a Ly quando tiver meus filhos vou lembrar,
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Cris, estou amando o livro e muito obrigada pelas idéias... Vou pensar numa delas e usar, hehe... Beijãooo flor

    ResponderExcluir
  4. Estarei esperando ansiosamente, eeeeeee...
    Ai ai, lendo a Marlena estou recordando o quanto a Itália é uma terra de magia e encantamento... Sonho conhecer!!!! Mas irei, um dia...
    Obrigada pelo livro mais uma vez!!!

    ResponderExcluir
  5. Oi Cris!! Estou voltando depois de um período escondida!rsrs
    Lendo teu post me identifiquei muito. Sou mãe de três adultos (Daniel 24, Aline 20 e Lucas 18)ufa!! Minhas lembranças de quando e como eu os cuidei na primeira fase me deixam satisfeitas(modéstia à parte ok?)rsr Principalmente em relação ao "TOQUE" que hoje sabemos o quanto é importante para a formação do ser humano.
    Iniciei minha vida como mãe muito jovem (17 anos \O/) e mesmo assim sempre me preocupei em como passar a gestação e os primeiros meses de vida do bebê da melhor forma!
    Fiz curso de yoga para gestantes,puericultura (apenas noções), conversei com várias obstetras para saber o que acontecia ou poderia acontecer na hora do parto. Deixava a família louca pois não queria perguntar só para os mais experientes ...estava sempre procurando em livros e revistas (pena que não tinha o Sr. Goolgle mas o Dr. De Lamare ajudou muito!)rssr
    Foram três partos normais saudáveis, consegui transmitir muita calma na hora das cólicas do primogênito. Dei banho de ôfuro na minha filha para baixar a febre, claro que era um balde esterilizado!!! ;-) E ensaiei uma xantala no caçula!
    Enfim sou muito cinestésica pra não dizer pegajosa!! E uma coisa que fiz que as mais experientes recriminavam: era dormir junto ! Aliás eu adorava ver minhas "crias" dormido na minha cama e hoje passou...eles cresceram e estão dormindo com seus pares rsrs . Bem.... nostalgia à parte , realmente não existe um manual perfeito mas intuição com amor é o que dá certo. Beijos e desculpas pelo tamanho do comentário...você permitiu que eu voltasse às minhas lembranças mais doces!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dribook querida,

      Estava com saudades...
      Fiquei emocionada com seu comentário, viu?
      Mesmo sendo mãe tão jovem você foi atrás do conhecimento, da experiência e, o mais importante, seguiu seus instintos!
      Bjs e volte sempre

      Excluir
  6. Que linda esta postagem...ai se pudesse ter meus filhos novamente pequenos, quanta coisa faria diferente...mas era o que sabia fazer, então abraço e acaricio eles sempre que posso e falo para eles com amor: abracei pouco, alisei pouco, mas era o que sabia! e aí fica um clima maravilhoso entre a gente!!! beijos minha querida e até mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claudia querida,

      É muito fácil olharmos para trás e perceber, como nossa experiência atual, que faríamos coisas diferentes.
      Mas em cada momento da vida fazemos o melhor que podemos com os recursos de que dispomos.
      Tenho certeza de que você é uma ótima mãe.
      Bjs

      Excluir
  7. Olá Cristiane, bela informação sobre a importância do colo da mãe.Parabéns pelo blog, com conteúdos bastantes interessantes. Já estou te seguindo. Abraços.Sandra

    ResponderExcluir
  8. Cris, eu concordo que crianças tem que ser muito amadas e receber muito carinho, mas tenho que discordar quanto ao excesso de colo. Na minha opinião, o excesso acaba prejudicando o desenvolvimento do bebê. Não digo pra deixar o bebê no berço chorando, mas ao invés de dar colo toda vez que ele resmunga, que tal distraí-lo com uma brincadeira ou uma música?!
    Vou dar um exemplo bem atual para você entender o meu ponto de vista e eu não correr o risco de ser mal interpretada....rsrs
    Minha sobrinha fez 6 meses agora e desde que nasceu, minha cunhada vive com ela no colo, não desgruda, apesar dos nossos conselhos para não exagerar no colo. Ela é tão exagerada, que chega a ficar olhando a menina enquanto dorme o tempo todo, não dá uma trégua.
    Bom, o que acontece é que a menina não aceita colo de mais ninguém, muito mal do meu irmão (o pai), fica irritada quando está longe da mãe e agora ela tem que voltar a trabalhar e deixar a menina com outra pessoa.
    Você imagina o quanto elazinha vai sofrer nesse período?! De que adiantou tanto colo pra agora ter que deixar a menina sofrendo a falta dela, já que ela não aceita mais ninguém? Ela criou a menina (até agora) como se só ela existisse no mundo.
    Acho que como tudo na vida, até mesmo o carinho e zelo em excesso são prejudiciais.
    Não me entendam mal, criei meu filho com muito dengo e carinho, tenho certeza que não faltou amor. Nós somos muito grudados até hoje (ele já está com 20 anos) mas temos que entender que não somos eternos nem únicos nas vidas de nossos filhos.

    Beijos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. LORA, EM NENHUM MOMENTO FALAMOS EM EXCESSO DE COLO!
      O EXEMPLO QUE VOCÊ NOS TROUXE É DE UMA MÃE ANSIOSA, QUE NÃO COMPARTILHAVA NEM COM O PAI OS CUIDADOS DO BEBÊ, E COMO FALEI NO POST O COMPORTAMENTO DAS CRIANCAS GERALMENTE REFLETE O ESTADO EMOCIONAL DE QUEM CUIDA DELAS.
      NÃO ESTAMS FALANDO EM USAR O COLO PARA TUDO, LÓGICO QUE TEMOS QUE TER JOGO DE CINTURA, COISA QUE ESSA MÃE QUE VOCÊ DESCREVEU NÃO TEVE.
      O QUE O ARTIGO TRATA É QUE NÃO DEVEMOS PRIVAR AS CRIANÇAS DE CONTATOS FISICOS COM OS PAIS POIS ESSE CONTATO FUNCIONARÁ COMO UMA RESERVA PSÍQUICA PARA A RESILIÊNCIA DIANTE DOS PROBLEMAS DA VIDA.

      Excluir
    2. Cris, eu sei que em nenhum momento você falou em excesso. Me desculpe, se me expressei mal.
      Eu sou totalmente a favor do carinho, do dengo e chamego. Isso cria um vínculo delicioso pro resto da vida. Até hoje vivo aos beijos e abraços com meu filho. Eu concordo com você em tudo que escreveu e assino em baixo. Só quis ressaltar que algumas pessoas levam esse carinho ao extremo e acabam prejudicando o desenvolvimento do bebê ao invés de ajudar, e que devemos ter cuidado com isso.
      Beijos!!!!!!!!!!!!!

      Excluir
    3. Tudo bem, Lora...trocar idéias é bom.
      Foi bom que você levantou essa questão assim tentarei deixar o post mais claro.
      Bjs,

      Excluir
  9. Ontem à noite, perto das 11, minha filha do meio, que ia acordar às 5 da madrugada, chegou na sala onde eu costurava uma blusa de tricô que estou acabando e disse: "Endireita as pernas prá eu sentar no seu colo, mãezinha...". Ela tem uns bons 15 cm a mais do que eu - mas se aconchegou, disse que eu sou seu "coraçãozinho", sua velhinha pequena e muito amada... O moleque faz igualzinho, de cima dos seus mais de 1,80 m de altura e a mais velha fica me agarrando pela casa, toda hora que passa por mim, sem motivo nenhum a não ser me alimentar de amor. Criei os três levando bronca do excesso de colo e de mimo, mas criei também com canções, histórias e conversas - porque, desde que nasceram, nunca vi ali um ser incompleto, mas um ser inteligente, capaz de ser alcançado com o tipo certo de argumento. Nunca foram birrentos, jamais foram malcriados e nunca me deram trabalho! E agora, enquanto eu encolho, eles crescem; enquanto eu me fecho em casa, eles se abrem para suas próprias experiências no mundo - mas ainda buscam meu colo... Bom demais ser mãe. Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo depoimento Rosa, é disso que estamos falando, o carinho em toas as suas formas.
      Bjs

      Excluir
  10. Cris, a foto é na praia onde passamos o verão Jaguaruna, que fica a meia hora de Tubarão, onde moro... Estávamos caminhando de manhã um dia e pedi para o Davi tirar a foto... Com a edição ficou melhor do que eu esperava porque o dia tava nublado, hehe... Quanto ao fato de você ter dado as idéias só ajudou... Já fiz um post para amanhã e outro para sexta...
    Estou amando o livro, estou achando a Marlena ainda mais sensível sabe??? Essa semana eu estou meio chata e o livro tem sido uma terapia...
    Essa Marlena é cheia de vida né??? Ela realmente sabe fazer uma limonada com o limão que recebe, hehe... Beijoooo flor

    ResponderExcluir