7 de nov de 2014

Filme - Tarja Branca - Imprescindível

Tarja Branca
A Revolução que Faltava
Dir.: Cacau Rhoden
Brasil - 2014

Qualquer elogio que eu possa fazer a este filme será pouco.
Maravilhoso, imprescindível.

Lembre-se da criança que você foi; se precisar pegue uma foto antiga, olhe nos olhos dela. 
Ela está dentro de nós e nos pergunta: por quais caminhos você me levou? Esses caminhos tem alegria?  Amanhã tem brincadeira?

Numa sociedade cada vez mais ligada em produtividade, utilidade e tecnologia, não há espaço para o ócio e o brincar; as pessoas andam cada vez mais tristes, correndo atrás de algo que nem sabem direito o que é.

E ainda querem tirar isso das crianças, obrigando-as a ter uma agenda de executivos mirins e nas poucas horas vagas ficam entorpecidas diante de tablets e outras telinhas…

Da psicologia aprendemos que a brincadeira assim como a poesia e a metáfora são as linguagens da alma, são vias de cura profunda.

Como nós adultos podemos brincar? Como abrir esse espaço em nossas vidas? De que maneiras você brinca?

Veja os lindos exemplos e depoimentos emocionantes neste filme. Além da rica cultura brasileira que não aparece na TV.

Assista, assista!
E depois, vamos brincar?



P.S.:  Muitas pessoas estão perguntando onde encontrá-lo: tem no Netflix, no iTunes e em outros sites para download.
Este filme complementa o nosso encontro de novembro do Grupo de Estudos, tem tudo a ver com a oitava entrevista.






15 comentários:

  1. Olá, Dra.Cristiane!
    É verdade, o homem da era moderna só vive para o consumo e o consumo para o homem, numa engrenagem que não tem mais fim e que acaba por machucar e acabar com a felicidade humana.
    Ainda não vi este filme que nos fala, mas pretendo, gostei da temática.
    Quanto ao que faço para me abstrair no dia a dia, é ler poesia e ver imagens, adoro as duas coisas e então, criei uma página no Facebook chamada Momentos Lilases, passo muitos minutos dos meus dias, postando estas duas coisas, me deixa super zen e convido a você e outros amigos que dêem um Curtir e acompanhem esta minha página, tenho certeza irão gostar.
    um grande abraço carioca

    ResponderExcluir
  2. Fiquei curiosa! Deve ser mesmo muito legal ver esse filme e refletir sobre o que nos mostra! bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. Bom dia Dra Cristiane!
    Muito boa a dica, assistirei, hoje não tenho mais criança para brincar, meus filhos (um casal) casados e netos adolescentes, mas brinquei e muito, tenho prazer em poder me lembrar e relembrar da infância deles!
    Meu passatempo predileto é ler e escrever, mas adoro viajar, pelo menos uma vez por ano tiro férias, a alta tecnologia é bom, mas só se for para acrescentar cada vez mais conhecimentos e coisas boas, do contrário nos escraviza! Amo a liberdade!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  4. Cris,
    já comentei este tema, crianças com agendas adultas, por duas vezes lá no blog e acho que nunca será demais retomarmos a ele.A sociedade do consumo engole vidas e subtrai existências.
    Como sempre lidei e lido com crianças à minha volta, tenho salvo-conduto para o universo infantil me deleitando ao máximo.Além da vivência com os netos, das leituras e filmes-delícia, agora estou dando cor e forma ao grupo recém-nascido, o Pauta Feminina, que tem frutificado muito a alegria e a interação entre as participantes.Falamos de tudo e no encontro passado, uma foto da juventude de cada uma foi o mote para um excelente papo.
    Dica anotada, querida.
    Bjkas e bom final de semana.
    Calu

    Obs: onde encontro o livro do Thoreau? Está esgotado, snif, snif

    ResponderExcluir
  5. Oi Cris! Nossa, são tantas pessoas falando desse filme que já está na minha listinha... Demos um tablet para nosso filho no Dia das Crianças... Tem 6 anos... Daí caiu na segunda feira e quebrou a tela... Ele chorou, a gente ficou bravo porque foi um sufoco comprar por estarmos em crise financeira... Somos o tipo de casal que não mima com presentes o filho, que procura dar um tempo nas questões tecnológicas, mas demos o tablet porque os amigos dele tinham e senti que já estava sofrendo por não ter... Sei lá, a gente fica tão dividido nesse mundo doido, Cris... Agora eu não sei se arrumo (nem sei o preço mas sei que é caro) porque não posso exigir que ele tenha um cuidado especial quando está em crescimento e é tão criança. Tem alguma dica? Nós erramos? Ou não devemos sofrer tanto com isso? Estou muito mal pelo "prejuízo financeiro", pelo sofrimento e pela culpa dele, e me questionando se fizemos certo ao seguir com a maré... Penso que talvez dêvessemos continuar apenas emprestando nossos celulares quando ele quiser brincar... Beijos e sempre por aqui te visitando!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carol, deixei um recadinho para você no seu blog. Entendo sua angústia, sei que é difícil resistir ao apelo da mídia e da sociedade, mas tablet não é brinquedo, ainda mais para uma criança tão pequena.
      Assista ai filme, vai esclarecer muitas coisas.
      Bjs

      Excluir
  6. Oi Cris,
    Adorei a dica. Vou ver se encontro por aqui.
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Vou asisistir sim e conta comigo para brincar e poetar ;)
    Volto depois para comentar ou posto lá

    ResponderExcluir
  8. Parece muitíssimo interessante. obrigada pela dica.
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. "Brigaaaada" pelo retorno, Cris.Seguirei tuas instruções.Moro em Niterói e terei(emos) imenso prazer em recebê-la .Estamos ainda bem no comecinho e os contornos necessários de uma estrutura mais delineada estão nascendo devagarinho.Estou bastante animada com a receptividade das participantes.Oxalá nosso grupo se solidifique e frutifique enormemente.Grata pela atenção e carinho constantes.Se um dia for a São Paulo entrarei em contato.
    Bjkas,
    Calu

    ResponderExcluir
  10. Boa noite Dra. Cristiane.
    Venho agradecer sua visita e comentário (1º lá no blog acabadinho de nascer). Sua expressão "montanha russa" resume bem as (in)decisões acrescida de pressões da sociedade atual que ainda dificultam mais a vida duma mãe.

    ResponderExcluir
  11. Dra. Cristiane, eu de novo, porque depois de tentar escrever o comentário, e perdê-lo a meio várias vezes, resolvi guardar metade e acabar agora o resto ;)
    Realmente já não é de hoje, e cada vez mais, que nossas crianças tem "agenda super cheia", e toda a gente esquece que criança tem que brincar. "brincadeira" é o trabalho de criança.
    É brincando, fazendo os jogos do "faz-de-conta" que criança "treina" para a vida de gente grande.
    Em busca da perfeição e atrás da competição (cada vez mais cedo) estamos criando uma geração que não passou pela fase de ser apenas criança.
    bjos e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  12. Olá Dra. Cristiane, sempre nos contemplando com boas sugestões de filmes, fui criada sem brincadeiras, quando podia, pegava meus tesouros guardados escondidos (bonecas de papel), sempre tive muitas obrigações e responsabilidades, preciso aprender a ser menos séria, a brincar mais, a me dar prazer. Hoje, escrever e ler são muito relaxantes. Vou em busca do filme, obrigada, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  13. Cristiane , repito mais uma vez , que vir ao seu espaço é sempre crescer . Obrigada por mais uma indicação . Agradeço , também , suas visitas ao meu blog . Beijos e boa semana

    ResponderExcluir
  14. De uma foto minha antiga foi que tirei o nome do meu blog, "A Rosa na Janela"... Eu tinha quatro anos de idade, estava visitando meu tio e ele bateu uma foto minha abrindo a janela, debruçando o corpo prá fora e olhando sorridente pro lado de fora... Acho que isso eu tenho de bom, nunca perdi esse olhar de espanto e alegria pro mundo, tô sempre abrindo ansiosa a janela prá ver o que tem lá fora. Adorei os depoimentos, todo mundo tinha que assistir.

    Beijos, Doutora querida. Obrigada por mais uma postagem inspiradora...

    ResponderExcluir