24 de nov. de 2018

Como Reconhecer e Nutrir a Boa Mãe Interior?

Antelope Canyon - Foto Pinterest

Uma das principais tarefas do caminho da individuação é nos tornarmos boas mães e bons pais de nós mesmos.
C. G. Jung

É muito importante percebermos que tipo de Mãe Interna construímos em nossa psique, pois isso fará total diferença em nossa jornada na vida. 

O conjunto de imagens e afetos que formam o complexo da mãe interior  se apóia na imagem da mãe que tivemos, mas vai muito além, pois é uma construção pessoal.

Muitas pessoas têm dentro de si uma mãe dura e exigente que as torna presas do vício da perfeição e impede seu pleno desabrochar na vida.


Então, o que é uma boa Mãe Interior?

1 - É aquele aspecto dentro de nós que nutre nossos sonhos. Acalente os seus sonhos e busque estratégias para realizá-los.
Nunca diga para si mesma: "Ah...isso é muita areia para o meu caminhão...ou então: prá que tentar, não vai dar certo..."

2 - É aquela parte em nós que reconhece nossos esforços mesmo quando as coisas não dão certo, ou quando não fazemos tudo perfeitinho. 
É quando dizemos a nós mesmas: "Tudo bem, não deu certo desta vez, mas aprendi bastante. Vamos tentar de novo?"

3 - É aquela parte em nós que nos perdoa pelos erros sem peso, sem nos impor sofrimentos desnecessários, sem auto punições,  compreendendo que ser humana é uma tarefa muito desafiadora.

4 - É aquele aspecto em nós que cuida amorosamente do nosso corpo, permitindo-nos o devido descanso, alimentação saudável, exercícios e contato com a natureza.

Quando fortalecemos nossa boa mãe interna, conseguimos perceber que nossa mãe exterior é uma mulher com maravilhas e doçuras e tantas dificuldades como nós mesmas. É bem provável que ela traga no peito as mesmas dores e anseios de ser amada e feliz e não saiba como fazer isso. 

Então, em algum momento do dia, abrace sua mãe interior e agradeça a ela e peça que ela continue cuidando bem de você. 

Afinal, se você chegou até aqui e está lendo este texto, é porque ela está fazendo seu trabalho, não é?

E qual a importância de cuidar dela? 
A nossa relação com o sucesso e a prosperidade depende da relação que estabelecemos com nossa mãe interna e externa. Para saber mais, veja este post.

Este texto foi escrito com base num trecho de uma palestra de Lygia Franklin, que não conheço pessoalmente, mas a quem sou grata. Acrescentei também minhas próprias observações.

Este texto é parte dos estudos do Capítulo 6 - O Patinho Feio, do Grupo Correndo com Lobos

Este é o trabalho de toda uma vida. Ao compartilhar nossos posts, por favor cite sempre a fonte. A ética precisa estar presente em tudo.


7 comentários:

  1. Boa tarde, querida amiga!
    Estava precisando de ler este texto nesta hora.
    Ser mãe de mim mesma... que bonito! Se não der para ser mãe pela figura materna não ter sido parâmetro, sejamos pai de nós e estaremos felizes.
    Tenha dias venturosos e abençoados junto aos seus amados!
    Excelente fim de semana!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

    ResponderExcluir
  2. OI Cris,
    Adorei o texto e não sabia desta mãe interior. Sou um bocado exigente comigo mesma e dificilmente me perdoo. Preciso me perdoar mais.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Olá Cris,

    Gostei muito da postagem, sempre é tempo de olhar para o que somos de verdade. Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi Cristiane!
    Que texto aconchegante! As vezes sou muito amedrontada e penso que o que faço não é bom o suficiente! Isso me chateia!
    Preciso prestar mais atenção!
    Gratidão, querida Cristiane!
    Beijo carinhoso!

    ResponderExcluir
  5. Cristiane , seu espaço é de aprendizado contínuo . Vir aqui é sair enriquecida . Adorei o post , obrigada . Beijos e ótimo final de semana .

    ResponderExcluir
  6. Lindo e enriquecedor post!
    Gratidão querida e sempre buscadora

    ResponderExcluir
  7. Durante a leitura deste post, eu lembrei do que está linkado aqui. É mesmo revelador este tema.

    ResponderExcluir