27 de fev de 2018

Eros e Psique - A Mais Bela História de Amor da Mitologia Grega - Primeira Parte



Esta é uma história de encantamento. Traz vida longa e boa sorte a todos que a escutam ou leem.

Há muitos e muitos séculos, havia um Rei que tinha 3 lindas filhas. Mas a caçula, chamada Psique (Alma, em grego), era de longe a mais bela. Tão bela, que as pessoas vinham de longe apenas para admira-la. Diziam que era a própria encarnação de Afrodite, a Deusa da Beleza.

Os anos passaram, as meninas cresceram, as duas irmãs mais velhas encontraram ótimos pretendentes e se casaram. E Psique, que era deslumbrante, continuava solteira. Porque os príncipes ao vê-la, ficavam em um estado de deslumbramento tal, que queriam apenas adorá-la como se fosse uma Deusa.

Essa intensa peregrinação ao palácio onde Psique morava, chegou aos ouvidos dos Deuses, ou mais precisamente, da Deusa Afrodite, que se sentiu ultrajada: "Como assim? Ousam adorar uma mortal como se fosse eu?"

Afrodite então chamou seu filho Eros (o Deus do Amor) e pediu que alvejasse Psique com uma de suas flechas, para que ela se apaixonasse por um monstro. Assim estaria vingada.

Eros foi até o palácio, preparou seu arco, mas quando avistou Psique ficou pasmo por tanta beleza e acidentalmente furou seu dedo com uma das flechas. O resultado....perdidamente apaixonado por ela!

Voltou para casa e relatou o acontecido para sua mãe, que nem preciso dizer, ficou mais possessa ainda! Ela enviou uma terrível praga ao reino de Psique como vingança.

O Rei, pai da princesa, vendo a calamidade em seu reino foi ao templo consultar o Oráculo, para saber a causa desse sofrimento. O Oráculo relatou que o motivo era a ira de Afrodite que se sentia ultrajada pela beleza de Psique. A única saída seria sacrificá-la ao monstro que vivia no abismo nos limites do reino.

O Rei entrou em desespero, chorou, clamou, mas o Oráculo foi implacável: Sacrificar a princesa ou todos morrerão.

Depois de muitas lágrimas, formou-se um cortejo para acompanhar a princesa até o abismo, onde realizaria sua núpcias de morte. Ela foi deixada sozinha, à noite, à beira do abismo. 

Quando esperava pelo pior, um vento suave a ergueu e a carregou até um lindo castelo. Seres invisíveis serviram boa comida, bebida e tocaram música. Em seu quarto havia um banho quente e lençóis macios, ela adormeceu.

De madrugada, o noivo chegou. Ela ficou com medo, mas uma voz suave a tranquilizou e as carícias despertaram seu desejo. Uma noite de deleite se seguiu, mas antes do amanhecer o noivo foi embora.

Passava os dias acompanhada por seres invisíveis que a atendiam, mas ansiava pela noite...pelos prazeres que a visita de seu marido proporcionava. No entanto, ele sempre ia embora antes do amanhecer e ela nunca vira seu rosto.

Apesar disso, estava apaixonada e feliz. 

Com o tempo, a saudade da família apertou, queria dizer a eles que estava viva e bem. Tomou coragem e falou desse desejo ao marido. Ele acolheu sua vontade, com a condição de que ela, em hipótese alguma poderia ver seu rosto.

No dia seguinte, Zéfiro (o Deus dos Ventos) trouxe suas irmãs para visitá-la em seu maravilhoso castelo. Elas se abraçaram e se emocionaram...Psique lhes contou sobre sua vida ali, sobre como estava apaixonada por seu marido e era feliz. 

As irmãs ficaram intrigadas com o fato dela não poder ver o rosto do marido: E se você estiver dormindo com um ser monstruoso? Você precisa saber com quem está vivendo! 

Psique dizia às irmãs que ele era muito gentil, realizava todas as suas vontades, mas elas insistiam que deveria encontrar uma maneira de vê-lo. Logo elas foram embora, mas a semente da dúvida já estava brotando em Psique. 

Nesse ínterim, começou a desconfiar que talvez estivesse grávida. E se ele for realmente um monstro? E se eu der à luz um ser horrível? 

O que fazer?

Se você fosse a princesa, o que faria?

Para ver a continuação, clique aqui


6 comentários:

  1. Que bela história...Aguardamos o final!Está instigante essa história! Adorando! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Eu iria dar um jeito de ver ué ?! rsrsrsr Curiosidade mata né? Adorei a história! beijos!

    ResponderExcluir
  3. Linda história, e que dilema: matar a curiosidade e perder seu amor ou aceitar a situação, sinceramente não sei oq faria, ansiosa pela próxima parte.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Força, fé, amor, caminhos que o coração sempre busca. Lindamente sua sensibilidade

    ResponderExcluir
  5. Oi Cris,
    Eu conheço esta história e adoro! Vou esperar pelo desfecho, mas acho que é o mesmo que eu já conheço.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Cris!
    Uma boa pergunta. O que eu faria? Diante de tanta harmonia, eu acho que continuaria sem curiosidade. Seguiria com vida!

    ResponderExcluir