22 de mai de 2017

Filme - Moana - Um Mar de Aventuras

Moana
Um Mar de Aventuras
Disney - 2016

Este belíssimo filme tem tudo a ver com o tema que trabalharemos no encontro deste mês. 

Chega de princesas esperando pelo príncipe encantado. Agora as meninas têm outros interesses na vida, como por exemplo...salvar o mundo!

O roteiro é bem criativo e baseado na mitologia da Polinésia, vai encantar adultos e crianças. Sem falar nos efeitos especiais maravilhosos.

Mostra que a força da natureza, representada pela Deusa Te Fiti,  pode ser criativa ou destrutiva, dependendo do respeito com que for tratada.

Fala sobre atender ao chamado interior e descobrir seu lugar no mundo, apesar das dificuldades.

Todas as personagens femininas são fortes, cada uma à sua maneira: a avó com sua "loucura",  seus enigmas e histórias; a mãe com sua constância e apoio no momento certo; e Moana é claro, com uma determinação invencível. 

Não há a madrasta malvada e a mocinha passiva, vítima do destino...Os tempos estão mudando até na Disney!

Achei interessante ver que mesmo o Semi-Deus Maui, que seria o vilão, tem muitos aspectos humanos: contradições, dúvidas, angústias, vaidade...Na verdade, ele tem um papel que na psicologia é denominado "trickster",  ou seja, um personagem que age de formas não convencionais para que o herói ou heroína se desenvolvam.

Através dos obstáculos que ele cria, Moana cresce e se fortalece. Mas no final ele consegue perceber seu erro e torna-se um aliado para que ela possa completar sua missão.

Ela é ótimo exemplo do que Clarissa Pínkola Estés chama de "a mulher selvagem", ilustra bem os temas que serão discutidos no capítulo 10.

Uma delícia de filme, recomendo a todas!




15 de mai de 2017

Manjar de Coco e Tapioca com Coulis de Frutas Vermelhas - Sem Glúten e Sem Lactose - Irresistível!


Imagine uma sobremesa dos Deuses...Daquelas que você come bem devagarinho para desfrutar o sabor ao máximo... É esta!
O azedinho das frutas vermelhas combina maravilhosamente com a suavidade e a doçura do coco. Perfeito! Além de ficar lindo no prato. Super fácil de fazer, o manjar nem vai ao fogo. São 20 minutinhos.

Ingredientes do Manjar
1 xícara de tapioca granulada (veja as dicas)
4 xícaras de leite de coco caseiro ou de litro (veja as dicas)
1/4 de xícara de água
4 colheres de sopa de açúcar (não muito cheias)
1 xícara de coco ralado fresco
2 gotas de essência de baunilha (opcional)
1 pitada de cardamomo em pó (opcional)

Modo de Fazer
1 - Coloque o leite de coco numa tigela e leve ao microondas para amornar. Acrescente a tapioca, misture e deixe hidratando por 10 minutos.

2 - Leve ao fogo 1/4 de xícara de água e o açúcar e mexa até dissolver bem. Espere esfriar um pouco e acrescente à mistura de tapioca.

3 - Acrescente o coco, a baunilha e o cardamomo. Misture bem e coloque em uma forma de pudim molhada. Leve à geladeira por 12 horas. Solte as laterais com uma espátula fina, desenforme e sirva com o Coulis de Frutas Vermelhas.

Ingredientes do Coulis de Frutas Vermelhas
1 pacote de mix de frutas vermelhas ou morangos congelados
1 xícara de água
1/2 xícara de açúcar

Modo de Fazer
1 - Coloque tudo numa panela e leve ao fogo, mexendo delicadamente.

2 - Quando as frutas estiverem totalmente descongeladas e macias, retire-as da panela com uma escumadeira e reserve.

3 - Elas terão soltado bastante pectina na calda, que estará vermelha. Comece a redução da calda para dar o ponto, mantendo o fogo médio e misturando.

4 - Quando começar a espumar e engrossar um pouco, desligue o fogo. Quando esfriar, acrescente as frutas vermelhas reservadas. Leve à geladeira.

5 - Quando desenformar o manjar, cubra com a calda e sirva.

Dicas
1 - Não adianta usar a tapioca comum, forma uma goma e não dá certo, tem que ser a granulada. Você encontra em empórios de grãos e casas de produtos naturais. Ela é mais dura em vem em formato de pellets, veja a imagem:

tapioca granulada


2 - Leite de Coco - Não use o de garrafinha, que é muito concentrado, o sabor não fica bom. Use o caseiro, batendo o coco no liquidificador e coando. Quando estou com preguiça de fazer em casa, uso este aqui.
Cada caixinha tem 1 litro. É bem suave, uso também como substituto do leite de vaca no dia a dia. Existem outras marcas, mas não as encontro por aqui.


Espero que possam se deliciar com este verdadeiro Manjar dos Deuses!






13 de mai de 2017

Feliz Dia das Mães! Para todos os tipos de Mães...


Embora gerar e criar um outro ser seja uma experiência incrivelmente transformadora na psique de uma mulher, do ponto de vista psicológico, a função materna transcende este fato.

Envolve os gestos de acolher, gestar, dar à luz, nutrir, cuidar, proteger, orientar ...e isso pode ser feito de muitas maneiras.

Ao longo da vida, vamos encontrando vários tipos de mãe:

as que criam seus filhos com amor e dedicação,  
as que são mães de idéias que transformam vidas, 
que gestam e criam projetos que beneficiam a muitos, 
as que dão à luz novos conceitos e paradigmas, 
que lutam por um mundo melhor,
as que nutrem corpos e almas,
que cuidam do que é de todos,
 que zelam por manter vivos valores humanos num mundo em transição, 
as que protegem a nossa mãe natureza,
as que nos acolhem e nos orientam em nosso caminho. 

A todas vocês minha sincera homenagem e minha gratidão.

Feliz Dia das Mães!

8 de mai de 2017

O Que Acontece Quando Nos Desconectamos de Nosso Corpo?

Pintura corporal do artista John Poppleton

Uma das queixas mais comuns nos consultórios hoje em dia é sobre não aceitar seu próprio corpo. A propaganda excessiva de corpos esculturais e jovens gera um desconforto na maioria das mulheres.

No momento em que começamos a nos julgar e a nos comparar, caímos numa armadilha e não estamos mais presentes em nosso corpo. Quais são as consequências disso?

John Poppleton

1 - Nos desconectamos da nossa sabedoria interna
Como podemos ouvir nosso interior se estamos diariamente nos criticando, dizendo como nosso corpo está errado?
Como nos conectar com  as sensações do nosso útero se estivermos usando uma cinta tão apertada que nem podemos respirar?

2 - Criamos uma competição nociva
Quando julgamos nosso corpo com base em padrões nós perdemos a habilidade de honrar a beleza de cada expressão única do feminino.
Assim como nos julgamos, começamos a buscar "defeitos" em outras mulheres para que nos sintamos melhor. Isso prejudica os relacionamentos com outras mulheres e com o feminino em nós.

3 - Limitamos nosso senso estético
Julgando a nós mesmas e às outras mulheres unicamente com base na aparência e adequação a padrões, limitamos nossa experiência de beleza, que é multidimensional.
Desta forma estamos ignorando que a beleza externa e a interna devem andar juntas.

4 - Perdemos nosso saudável senso de limite
Quando objetivamos nossos corpos, perdemos a confiança em nós mesmas e isso prejudica nossa intuição.
Quando uma pessoa tem uma atitude invasiva, geralmente sentimos um desconforto físico, talvez uma tensão no abdome ou outra sensação física, avisando que algo está errado e nos permite estabelecer limites.
Se não estivermos presentes em nossos corpos, não iremos registrar esses sinais e podemos ser invadidas, ou nos colocarmos em situações de risco, ou ficarmos em relacionamentos abusivos.

Você imaginava que o relacionamento com nosso corpo teria tantas consequências?

John Poppleton

Sinta seu corpo agora, respire profundamente, perceba seu coração batendo lealmente, suas células trabalhando pelo seu bem estar. Mesmo que esteja doente, seu corpo está fazendo o melhor que pode para se curar.

Ele muda de acordo com as estações do ano e os ciclos da lua...

Sinta o milagre que você é, agradeça e nutra-se com amor.



1 de mai de 2017

Correndo com Lobos Capítulo 9 : Pele de Foca, Pele de Alma


Este capítulo traz a possibilidade não apenas do resgate da alma, mas de descobrirmos  o nosso lugar, nosso santuário, o lugar de repouso em nós mesmas. 

Através deste lindo conto de tradição xamânica do povo inuit (esquimós) entramos em contato com uma riqueza simbólica  que nos conduz até a fronteira entre a alma e o espírito.

A história é muito longa, conta como surgiu o primeiro xamâ (curador) deste povo, é cheia de detalhes que não conseguirei resumir neste post, mas quem não tem o Livro "Mulheres que Correm com os Lobos" pode ler o conto aqui.

Este conto tem três chaves para a sua compreensão simbólica: o significado psicológico da pele, a importância das águas para a vida interior,  e a definição de Lar (e como retornar a ele).


pele é o maior órgão do corpo humano, a fronteira entre o nosso corpo e o ambiente, e nos dá a sensação de integridade física e de unidade. "Estar bem em sua pele” significa ser inteiramente  dona de si mesma, conectada com a essência do seu próprio Ser.

No conto, a mulher-foca é um ser encantado que perde sua pele e precisa reencontrá-la para poder voltar ao reino submarino. Perder a pele, significa esquecer-se de si, da sua natureza.

Como perdemos a pele da alma? 
Quando ficamos muito envolvidas com o ego, sendo perfeccionistas, nos martirizando desnecessariamente, quando estamos insatisfeitas e não fazemos nada com isso, quando tentamos ser uma fonte ilimitada para os outros .

E o que isso causa em nós?
Sem a pele, nosso corpo desidrata, resseca. Sem a pele da alma nada  faz nossos olhos brilhar, ficamos entorpecidas, nada parece fazer sentido.

A água é a fonte da vida e não serve apenas para matar a sede e ser o veículo das reações bioquímicas de nosso organismo. 

Ela tem a função profunda de vivificar a existência. Ela carrega nossos sentimentos. Tanto assim, que todas as religiões e culturas têm rituais e práticas espirituais envolvendo a água.

O contato com essa função psíquica simbolizada pela água (o sentimento) permite que voltemos ao Lar. 
O lar é uma disposição interna que nos permite vivenciar a imaginação, a paz e a liberdade. É quando nossa vida instintiva funciona bem e nos sentimos conectadas conosco e com algo maior.

Há vários veículos que podem nos conduzir para o lar: o silêncio, a solidão, a prece, a música, a arte, a dança, a poesia, a natureza, o sol, o  brincar… enfim, o que a sua alma pedir!

Com toda esta riqueza simbólica trabalhamos corporalmente a pele, o equilíbrio, e novamente buscamos o estado de Presença através do Movimento Autêntico que resultou na linda escrita poética que você pode ler aqui.

Este encontro foi uma jóia preciosa para o colar da nossa jornada.

Foi maravilhoso estar com vocês novamente.
Até o próximo!