24 de abr de 2017

Manual de Ervas para os Ciclos Femininos - E-book Grátis!

Autora: Mariana Almeida
Apoio: Matricaria

Excelente referência para o uso de ervas medicinais em todas as fases de nossa vida: TPM, cólicas, gravidez, pós parto, amamentação e menopausa.

Bem didático, ensina o uso das ervas em chás, compressas, banhos e etc...de acordo com a necessidade.

Vale à pena!

Para baixar o seu exemplar gratuitamente, clique aqui.





17 de abr de 2017

Filme - O Homem Que Viu O Infinito

O Homem Que Viu o Infinito
India - Reino Unido
2015

Este filme me tocou profundamente. Belo e repleto de significados.

Conheci assim a vida de Ramanujam (1887 - 1920), um dos matemáticos mais brilhantes da história, mas quase totalmente desconhecido. 

Ele era indiano (quando a Índia era colônia britânica), pobre, não tinha estudos. Mas tinha visões de cálculos matemáticos complicadíssimos quando ia ao templo da Deusa Namagiri (uma das formas da Deusa Lakshimi).

Sempre que estava meditando ou realizando práticas devocionais, tinha visões de equações matemáticas que não compreendia. Tornou-se autodidata para aprender matemática e tentar entender as visões que a Deusa lhe enviava.

Foi se aprofundando cada vez mais e tornou-se brilhante, mas vivendo em condições precárias e totalmente desconhecido. Escreveu cadernos e mais cadernos de cálculos que ninguém entendia, achavam que estava louco...

Até que um dia consegue uma bolsa para uma Universidade inglesa. Mas ele era brâmane, e eles são proibidos de cruzar o oceano. Viu-se diante de um grande dilema... Conseguiu vencer este limite e chegou à Inglaterra, mas não sabia que desafios incríveis estariam por vir!

Ele revolucionou a matemática, suas descobertas permitiram o cálculo da Teoria da Relatividade, das viagens espaciais e muitos outros grandes feitos. Seus cadernos repletos de cálculos feitos à lápis estão hoje num museu ao lado dos cadernos de Isaac Newton.

Emocione-se com a trajetória de um homem com um profundo senso de missão, movido pela fé em profunda conexão com o Sagrado Feminino. 

Recomendo!

Disponível no Netflix



10 de abr de 2017

O Mês de Abril, a Páscoa e o Feminino Sagrado - Parte 2

E então, lembram da Deusa do Paraíso?



Pois é...Muitos séculos depois, surgiram povos semitas no oriente médio que adoravam a Rainha do Paraíso, também chamada de Asherah ou Astarte; e o seu consorte, o Deus do Trovão.

Este Deus, por simbolizar o Trovão, não era representado em imagens, somente através da luz do relâmpago e do fogo, e seu nome composto de quatro letras (IHVH) era impronunciável (posteriormente, na Bíblia, seu nome foi traduzido como Iavéh ou Javé ou Jeová).

No Renascimento, Michelangelo o representou na Capela Sistina:

Aos poucos eles foram abandonando a Deusa do Paraíso e adorando somente ao Deus JavéSó que o Deus isolado de sua contraparte feminina foi se transformando num Deus severo… como podemos ver no Velho Testamento.

Estes povos deram origem aos hebreus e a uma nova religião: o judaísmo


Posteriormente esse povo foi escravizado no Egito, e através de uma longa saga protagonizada por Moisés, foi libertado exatamente no dia 14 do mês de Nissan de 1280 A.C. (que coincidia com a época das festividades pelo renascimento da natureza). 

Eles passaram a comemorar esta data não apenas como um renascimento da natureza, mas também como um renascimento espiritual, a Festa da Libertação, chamada de Pesach (Páscoa, em hebraico). 


Séder de Pesach/ Ceia de Páscoa

Muitos séculos depois surgiu um homem sábio chamado Jesus de Nazaré, que também era judeu e comemorava todas as festividades de sua cultura, como o Pesach (Páscoa). A Santa Ceia ou a última ceia de Jesus foi exatamente a celebração da Páscoa judaica. 



A vida de Jesus deu origem a uma nova religião: o cristianismo. E nos seus primórdios, não havia comemorações do nascimento e nem da ressurreição de Cristo. Os discípulos se concentravam apenas em compreender e praticar seus ensinamentos.

Só que à medida que a religião foi se propagando, buscando novos adeptos, foi incorporando outros costumes, tentando dar-lhes uma roupagem cristã.

Portanto, ao chegar no continente europeu, as festividades de honra às Deusas pelo renascimento da natureza, que coincidiam com a época da ressurreição de Cristo e  da libertação dos hebreus, foram incorporadas ao calendário cristão.

Mas a Deusa continua entre nós através de seus antigos símbolos (ovos e coelhos), que permaneceram mesmo após tantos séculos… e apesar de várias metamorfoses, a essência desta celebração não mudou!

Que  possamos nos lembrar disso e buscar a renovação externa e interna, que cultivemos nosso  jardim com esperança pela nova colheita e pelo desabrochar das flores da alma.
Feliz Páscoa! 

Este é um post antigo que trago de volta pois tem informações interessantes para os grupos em andamento.

Para ver a primeira parte, clique aqui.



3 de abr de 2017

O Mês de Abril, a Páscoa e o Feminino Sagrado - Parte 1


Afrodite/Vênus


O nome do mês de abril, foi originariamente inspirado em Afrodite (ou Vênus), a Deusa da Beleza e do Amor, pois é o mês em que as flores desabrocham na primavera do hemisfério norte, a neve derrete e a terra se abre para receber as sementes. Posteriormente, os romanos passaram a chamá-lo de Aprilis.

Esta palavra vem de Aprire, que significa abrir, lembrando um atributo pouco conhecido desta Deusa: o de guardiã do portal da vida. Ela era representada nua, com as mãos apontando para seus genitais, a passagem que permite à alma “abrir a porta da vida”. E desde tempos imemoriais, o ovo simbolizava o surgimento desta nova vida.


Ostara


Para os anglo-saxões, este mês chamava-se Easter Monath, que  até  hoje é mantido na palavra inglesa Easter (Páscoa). Este nome era em honra à Deusa da Primavera e da Fertilidade chamada Eostre. Os celtas a chamavam de Ostara. O coelho é o símbolo desta Deusa.

Bast

Os egípcios, cananeus e fenícios também batizaram este mês em honra a Deusas . No Egito este mês era dedicado à Bast, a Deusa solar com cabeça de gato, Deusa da alegria e da brincadeira. Os cananeus e fenícios reverenciavam uma Deusa chamada Rainha do Paraíso.

É importante lembrar que todas as Deusas tinham seus respectivos Deuses consortes. Masculino e Feminino Sagrados estavam sempre juntos. 

Um caso curioso  é o da Deusa do Paraíso dos cananeus e fenícios; cujo consorte - o Deus do Trovão - com um nome impronunciável composto por 4 letras (IHVH), ao longo dos tempos passaria por modificações e se tornaria o futuro Deus dos povos semitas (e mais adiante daria origem a três grandes religiões: o judaísmo, o islamismo e o cristianismo). 

Em todos os povos da antiguidade esta época era marcada por uma celebração do renascimento da natureza e do renascimento espiritual, homenageando suas respectivas Deusas com flores, um banquete, ovos coloridos, coelhinhos saltitantes... 



Mas como é que isso tudo foi se transformar na  Páscoa e na comemoração da Ressurreição de Cristo? 

A continuação da história será publicada em breve.
Aguardem...


Este é um post antigo que trago de volta pois tem informações interessantes para os grupos em andamento.

Para ver a segunda parte, clique aqui.



27 de mar de 2017

Correndo com Lobos - Capítulo 8 - Sapatinhos Vermelhos - Armadilhas, Arapucas e Iscas Envenenadas

Este foi um encontro para o qual tivemos que nos preparar com bastante antecedência, lendo todo o capítulo e trabalhando os pés com bolinhas e escalda-pés. Pois é um dos contos mais dramáticos do livro, e o grupo precisava estar bem enraizado e preparado para os desafios da jornada.

Um resuminho para quem não conhece a história: uma menina fica obcecada por uns sapatinhos vermelhos que são enfeitiçados, mesmo sabendo disso, a atração é irresistível. Ela tenta usá-los, mas eles grudam em seus pés e a fazem dançar sem parar até que para não morrer de exaustão ela é obrigada a perder os pés.

Cena do balé Os Sapatinhos Vermelhos

O conto fala das armadilhas que levam à perda da alma.

A principal causa de adoecimento psíquico em nossa época é o esquecimento de si, que  é decorrente de duas armadilhas principais:  a velocidade e o vício da perfeição. 
Estes modos de funcionamento nos afastam da vida instintiva, que é o alimento da vida criativa. 

Isso gera uma fome de alma que faz com que a mulher se agarre obsessivamente à primeira coisa que encontra e que lhe dê a ilusão de que a alimenta. Caindo nos extremos com alimentação , vícios, excesso de cuidados com a forma física, excesso de organização e controle, fanatismo religioso, consumo compulsivo, promiscuidade sexual e etc...

Uma situação da qual não consegue sair, afinal, os sapatinhos vermelhos são lindos....
Cena do balé Os Sapatinhos Vermelhos

A única saída para a dança frenética dos sapatinhos enfeitiçados é o Estado de Presença, que nos ancora no amor e permite "sair da Matrix" dos condicionamentos, obsessões e repetições neuróticas.

Existem várias técnicas que possibilitam esse estado como   silenciar, respirar, meditar, trabalhos de consciência corporal ou  trabalhos manuais, ou contemplar a natureza (desde que feitos regularmente...)

Para nosso trabalho de integração psicofísica trabalhamos a consciência da respiração em todas as áreas do tronco, para ampliar a consciência do espaço interno e buscar o estado de presença.

A partir do compartilhamento das experiências vividas no trabalho corporal realizamos nossa  Vivência com Arte através da experiência com o fogo criativo, que resultou nas pinturas lindas que você pode conferir aqui.

A frase da nossa loba querida Daniela (do grupo anterior) expressa bem o sentimento ao final:

"Quem precisa de sapatinhos vermelhos quando se descobre as próprias asas?"

Um grande abraço para todas e no mês que vem tem mais...